Adolescentes mortos a tiros em escola de Goiânia foram sepultados neste sábado (21/10). Quatro outros jovens permanecem internados 

O pai do garoto João Pedro Calembo, Leonardo Calembo, falou à imprensa no início da tarde deste sábado (21/10), durante sepultamento do filho de 13 anos, morto a tiros por um colega de sala na última sexta-feira (20), em Goiânia.

Aos jornalistas, ele disse que a família está consternada e criticou o que chamou de perda de valores na sociedade.

[relacionadas artigos=”107994″]

“O que tem faltado hoje nas famílias é o ensino do amor ao próximo, que a família e a vida do próximo são importantes. Quero deixar bem claro que meu filho era cristão, obreiro da igreja. Meu filho não foi pivô de nada, não foi o único alvo”, afirmou Calembo. O filho dele foi acusado de praticar bullying contra o jovem autor do ataque.

João Pedro Calembo e João Vitor Gomes, os dois adolescentes que morreram durante o ataque, foram sepultados no fim da manhã deste sábado (21).

O diretor da escola participou dos sepultamentos, mas não deu entrevistas. De acordo com Flávio Roberto de Castro, presidente do Sindicado dos Estabelecimentos de Ensino Particular de Goiânia, a outra diretora da escola, identificada como Tia Rose, passou mal ao receber a notícia do incidente na sexta-feira e permaneceu a noite hospitalizada.

O colégio não deve funcionar segunda-feira (23). “Na segunda-feira, vamos nos reunir com a comunidade e a professores e ajudar a escola a montar um plano de volta às aulas. A partir dessa conversa, mediada pelo sindicato e pelo Conselho Estadual de Educação, teremos um calendário”, explicou Castro.

O ataque ocorreu na manhã da última sexta-feira (20), quando um estudante da mesma turma, que era alvo de bullying, usou a pistola da mãe, policial militar, para matar os outros adolescentes. O autor do ataque foi apreendido em flagrante. Quatro estudantes atingidos pelos disparos ainda estão hospitalizados, um deles em estado grave.