Metrobus pede cassação de liminar que prevê contratação de vigilantes para o Eixo Anhanguera

Decisão da última semana determinou que companhia contratasse empresa de vigilância em um prazo de 48 horas

A Metrobus, empresa responsável pela gerência do Eixo Anhanguera, entrará com recurso para cassar a liminar da Justiça que determinou a contratação pela companhia de uma empresa de vigilância patrimonial para operar com contingente físico e sistemas de câmera nas plataformas e no interior dos veículos do Eixo Anhanguera.

A decisão, do último dia 3, foi tomada após ser constatado o aumento da criminalidade nos terminais ao longo do eixo.  O juiz Avenir Passo de Oliveira, da 3ª Vara da Fazenda Pública Estadual de Goiânia, fixou o prazo de 48 horas para que fosse cumprida a contratação, sob multa diária de R$ 20 mil.

Em nota, a Metrobus alegou que já entrou em contato com empresas de vigilância, porém ressalta que o processo de seleção e contratação leva tempo.

A companhia também informou que estão em estágio avançado as negociações  para uma parceria com o Consórcio RMTC, também visando melhorar a questão da segurança nas plataformas e terminais.

Confira na íntegra o comunicado da Metrobus:

A Metrobus comunica que irá utilizar o recurso de Agravo de Instrumento para a cassação da liminar, que determina a contratação de vigilantes em 48 horas. Isso porque, não foi respeitada a discricionariedade na busca da solução.

Já estamos em contato com empresas de vigilância patrimonial, porém devemos ressaltar que o processo de seleção e contratação demanda tempo.

Não deixamos de trabalhar para melhorar a questão da segurança nas plataformas e terminais ao longo do Eixo Anhanguera e por isso, em paralelo, também estamos em estágio avançado na negociação para nos consorciarmos ao Consórcio RMTC. Para tal, aguardamos a autorização legislativa que deve sair nas próximas semanas.

Metrobus

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.