Mesmo sob vaias, Caiado defende bem-estar coletivo e acerta ao pedir fim de manifestação

Mais de 250 pessoas ignoraram risco sanitário, se reuniram em manifesto pró-governo e colocaram em risco todas as medidas de contenção ao coronavírus que o governo tem tomado

Governador Ronaldo Caiado pede fim de ato pró-governo Bolsonaro

Convocar manifestos não é crime constitucional, mas diante da pandemia de coronavírus, o manifesto pró-governo Bolsonaro,  que teimou em se realizar na tarde deste domingo, 15, em Goiânia, foi ato irresponsável e extremamente perigoso do ponto de vista sanitário. Nesse sentido há que se louvar a reação do Governador Ronaldo Caiado (DEM) que ordenou o fim do ato. 

Manifestantes pró-governo Bolsonaro deixaram de lado todo o cuidado que o mundo está tomando para evitar a proliferação do Coronavírus e reunidos na Praça Cívica, munidos de carro de som, conclamavam para que mais pessoas se unissem para o manifesto. O governador Ronaldo Caiado usou o microfone dos próprios manifestantes e pediu o fim do ato. “Não sejam irresponsáveis. Vocês precisam entender que a hora que morrer um da família de vocês, vocês vão estar chorando na porta do Palácio”, declarou Ronaldo Caiado.

O governador chegou a orientar para que se quisessem manter o ato, que fizessem de forma individual, cada um em seu carro. Mas a reação dos manifestantes foi de vaias. Uma demonstração que o bem-estar coletivo foi colocado em segundo plano em prol da manifestação. 

Ronaldo Caiado chegou a argumentar com os manifestantes que estava ali não só como governador, mas como médico. “Eu sou médico e trato é de vidas. Quando seu filho estiver doente você vai me procurar”, apontou. “Esse é um absurdo e vocês precisam ter noção de seriedade”, completou.

As manifestações desprezaram as principais orientações das autoridades em Saúde: reduzir aglomerações e evitar contato físico com outras pessoas. Nas imagens que circulam pelas redes sociais é possível ver pessoas que aparentam ter mais de 60 anos – grupo mais vulnerável ao Covid-19.

Segundo a Polícia Militar ao menos 250 pessoas se reuniram para fazer o manifesto. Ato que contraria a ordem nacional de precaução e o decreto estadual que determina ações para conter a proliferação da doença. Em Goiás, todos os eventos com aglomeração de mais de 100 pessoas foram classificados como de “grande porte”, e devem ser cancelados durante a vigência do decreto.

Conter o coronavírus exige ações inéditas e de coragem

Estamos a beira de uma quarentena global. O coronavírus faz o mundo vivenciar medidas drásticas de isolamento e vigilância. Enquanto os manifestantes direcionavam suas vaias ao governador Ronaldo Caiado e teimavam em manter a aglomeração, todos os jornais do mundo davam a dimensão da pandemia. Na Itália, só nas últimas 24 horas, 368 pessoas morreram vítimas da Covid-19. O Brasil tem pelo menos 176 casos confirmados, segundo o Ministério da Saúde, sendo quatro em Goiás.

Sem alarmismo as medidas de contenção ao vírus precisam ser proporcional e tão ágeis quanto a proliferação e contaminação da doença. E isso exige coragem de nossos governantes. Aulas em escolas públicas e particulares foram suspensas por 15 dias. O funcionalismo público terá o horário de trabalho alterado. Jogos de futebol acontecem sem torcidas. Eventos que atraem negócios e movimentam a economia do Estado foram cancelados. Universidades também anunciaram a suspensão das aulas. Empresas privadas estão adotando trabalho em home office. 

É injusto que todas essas ações já tomadas em prol do bem-estar coletivo, sejam colocadas em risco por manifestantes que acreditam estar acima da coletividade e da segurança sanitária que o momento exige.

Uma resposta para “Mesmo sob vaias, Caiado defende bem-estar coletivo e acerta ao pedir fim de manifestação”

  1. Graça Maria disse:

    Mesmo n sendo eleitora do R Caiado, o parabenizo pel9 sei ato e medidas contra esse ato insano doBoltonaro e seus cegos seguidores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.