Mesmo após queixa-crime, Caiado volta a chamar Lula de “bandido”

Senador goiano fez post justificando ataques ao ex-presidente e criticou postura do petista: “Ele não é rei”

Senador Ronaldo Caiado e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva | Fotos: Moreira Mariz/ Agência Senado | Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

Senador Ronaldo Caiado e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva | Fotos: Moreira Mariz/ Agência Senado | Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou com um pedido de queixa-crime no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o senador Ronaldo Caiado (DEM) pelos crimes de calúnia, injúria e difamação. O goiano, por sua vez, não se intimidou e  voltou a chamar Lula de “bandido” nas redes sociais, nesta quarta-feira (8/7).

“Lula tem que medir as palavras, não é comportamento de ex-presidente ameaçar a população, é comportamento de bandido. Ele não é rei”, publicou.

Em fevereiro, o senador escreveu em sua conta no Twitter uma mensagem com o mesmo teor, criticando Lula por uma declaração dele em um encontro de sindicalistas. Na ocasião, o petista afirmou que queria paz e democracia, mas que também “sabia brigar”, ainda mais quando Stédile — um dos fundadores do MST — “colocasse o exército dele nas ruas”.

“Lula tem postura de bandido. E bandido frouxo! Igual à época que instigava metalúrgicos a protestar e ia dormir na sala do delegado Tuma.”, publicou em 25 de fevereiro, um dia após a afirmação do ex-presidente.

Conforme a defesa de Lula, o tipo de afirmação feita por Caiado extrapola a imunidade parlamentar e configurou uma grave ofensa.  O pedido de queixa-crime foi protocolado nesta quarta-feira,  e ainda aguarda distribuição para um ministro relator.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

guides netto Nt

Mentiroso comprovado por diversos fatos, personagem principal na desdita que o país atravessa, querendo usar a justiça como se fosse um grande homem publico.