Ménage à trois deu errado para o marido, pois as mulheres se apaixonaram

Não se trata de um romance de Henry James, o mestre da ambiguidade, e sim de uma história da vida real

O escritor Henry James, mestre da ambiguidade, sabia que aquilo que parece às vezes não é. Suas personagens femininas, das maiores da história da literatura, são, em geral, superiores às masculinas, embora nem sempre pareça à primeira vista. A vida real às vezes ocorre (e escorre) nos poros do não-dito, do indizível, dos segredos.

Theresa Rose propôs ménage à trois ao marido e se apaixonou pela mulher | Foto: Reprodução

A história da americana Theresa Rose é um romance de Henry James, mas escrito por ela mesma. O marido dela iria fazer aniversários e, para apimentar o relacionamento, ela, ainda que integrante de uma família tradicional, lhe fez uma proposta ousada: que tal um ménage à trois, incluindo uma segunda mulher.

O marido aceitou na hora. Theresa Rose diz que fez isto para agradá-lo, e talvez tenha sido mesmo. Mas lá no íntimo, no escondidinho de seu ser — quiçá inconsciente —, o mais provável é que quisesse ter uma experiência sexual (e afetiva) com uma mulher. Até aquele momento, não havia tido nenhuma relação com outra mulher, mas, ao relatar sua história, admitiu que, quando adolescente, sonhava que estava namorando atrizes famosas (a distância, por certo, reduzia a noção de pecado), como Megan Fox e Jessica Alba.

Theresa Rose e Jacqui: renascimento e paixão | Foto: Reprodução

Não se sabe o que ocorreu durante a relação do marido com Jacqui, a outra mulher. Mas Theresa Rose apaixonou, porque se descobriu e, então, saiu do armário. O prazer com Jacqui era infinitamente superior ao prazer com marido.

Depois de 14 anos de casa, Theresa Rose abriu o jogo com o marido, pediu o divórcio e avisou que iria morar com Jacqui. O marido decidiu denegri-la ante a família, mas a jovem de 36 anos não recuou.

Theresa Rose diz que conhecer Jacqui salvou sua vida. Trata-se de um renascimento afetivo-sexual. “Essa mulher tirou a arma e me deu esperança. Estou vida hoje por causa dela. (…) Eu não tenho mais energia para ser algo diferente do que sou. Um ano atrás eu saí do armário porque eu não podia mais fingir. E meus dois filhos continuam me amando.” Os dois filhos moram com ela e Jacqui. A nova família mora em Porland, no Estado do Oregan, nos Estados Unidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.