Meirelles anuncia equipe econômica e afirma que governo não recriará CPMF por enquanto

Segundo ele, primeiro passo é conhecer real situação das contas públicas para só depois pensar em aumento de impostos

Ministro também reforçou necessidade de equilíbrio de contas públicasFoto: José Cruz/ Agência Brasil

Ministro também reforçou necessidade de equilíbrio de contas públicas | Foto: José Cruz/ Agência Brasil

Depois da reação contrária à recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que ainda não há uma decisão sobre a volta do imposto. Segundo ele, o primeiro passo é conhecer a real situação das contas públicas para, aí sim, pensar em aumento de impostos.

“Conhecer os números e a abrangência de reformas e mudanças estruturais. A nossa prioridade é conhecer a real situação e, a partir daí, tomar as medidas necessárias administrativamente”, afirmou ele. O ministro afirmou ainda que a prioridade é retomar o crescimento para aumentar a atividade econômica e, consequentemente, a arrecadação e o consumo.

Meirelles também ressaltou que acha que os impostos brasileiros estão muito acima dos padrões de países emergentes e que é necessário equilibrar as contas públicas.

Equipe econômica

Na mesma coletiva, Meirelles também anunciou os nomes que estarão em sua equipe econômica. Para o Banco Central, foi escolhido o economista-chefe do Banco Itaú, Ilan Goldfajn. Ele ainda terá que ser sabatinado pelo Senado antes de assumir o cargo. A proposta de Meirelles é dar autonomia ao Banco Central, retirando-o do rol de ministérios.

Já a secretaria da Previdência ficará sob o comando de Marcelo Caetano, economista com passagem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Ele será o responsável pela polêmica reforma na Previdência.

O novo secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda será Mansueto Facundo Júnior, funcionário licenciado do Banco Central. Segundo Meirelles, sua função será conter despesas públicas. Quem ficará na secretaria de Política Econômica é Carlos Hamilton.

Foram mantidos em seus cargos Jorge Rachid, secretário da Receita Federal, e Otávio Ladeira, do Tesouro Nacional. De acordo com Meirelles, aqueles que não têm candidatos imediatos à substituição permanecem no cargo, mas podem ser afetados no futuro. “Todos os que não têm substituto permanecem nos seus cargos. Faremos a avaliação constante desses cargos e nada impede que outras mudanças sejam anunciadas nos próximos dias, semanas ou meses”, afirmou.

Rachid é funcionário de carreira da Receita e está na sua segunda gestão à frente da secretaria – a primeira foi entre 2003 e 2008 e ele voltou ao cargo em janeiro de 2015. Já Otávio Ladeira é analista de Finanças e Controle Secretaria do Tesouro (Com informações da Agência Brasil).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.