Meio à Covid-19, casal usa internet para ajudar famílias necessitadas

“Nosso perfil é novo, começamos há um mês, mas nesse curto período, percebemos o quão grande é a demanda por esse tipo de serviço”, conta Jessica Mendonça, uma das idealizadoras do projeto

Foto: Reprodução

Muito se engana quem pensa que as vítimas do coronavírus (Covid-19) se ‘resumem’ ao estrondoso número de enfermos e mortos. Acontece que a chegada da pandemia afetou também diferentes setores econômicos do Brasil e do mundo.

A crise provocou grandes abalos não só no sistema de saúde pública, mas também no bolso de muitos trabalhadores que atualmente precisam se desdobrar para encontrar um caminho que permeie entre o estreito espaço da sobrevivência e a segurança.

Pensando nisso e, claro, movidos pelo grande desejo de ajudar quem mais precisa, um casal de namorados resolveu dar um pontapé importante e uniram quem deseja ajudar a quem precisa de ajuda.

A ideia partiu do servidor público Saulo Mota que, juntamente com a advogada Jessica Mendonça, criou um perfil nas redes sociais destinado apenas à arrecadação e doação de alimentos não perecíveis. Por meio do instagram @_alimenteumavida eles estabelecem contato com os interessados em doar, recolhem esses alimentos, montam uma cesta básica e levam até às famílias necessitadas.

Algumas das cestas distribuídas às famílias necessitadas ao longo da última semana / Foto: Reprodução

“Nosso perfil é novo, começamos há um mês, mas nesse curto período, percebemos o quão grande é a demanda por esse tipo de serviço”, conta a advogada. O casal já realizou o cadastro de diversas famílias interessadas em receber os alimentos e, na última semana, foi a vez de realizarem os primeiros repasses.

A primeira visita foi na casa da família da Luzia Silva Morais. Ela, que é mãe de quatro filhos, conta que veio do Estado do Maranhão em busca de trabalho em Goiânia. “Me dediquei muito ao longo do último ano para juntar dinheiro e conseguir trazer meus quatro filhos que ficaram com a minha mãe no Maranhão”, disse.

“No começo do ano consegui busca-los. Eles estavam na escola e eu trabalhando. Tudo estava indo muito bem no início desse ano. Nunca ganhei muito, mas ganhava o suficiente para pagar nossas despesas de casa. Com a vinda da pandemia tudo complicou: as escolas fecharam e eles não tinham mais para onde ir. Como sou autônoma, não tive condições de continuar trabalhando para garantir nosso sustento. Foi ai que as coisas desandaram”, explicou à reportagem.

“Anjos de Deus”

Luiza disse que quando ficou sabendo que o casal havia começado com esse projeto, imediatamente estabeleceu contato para pedir ajuda. “Eles foram uns verdadeiros anjos de Deus na minha vida. Vieram na hora certa pois estávamos precisando muito. Espero que Deus multiplique, triplique o que eles estão fazendo. Desejo que alcancem diversas outras famílias que assim como a minha precisam de amparo”.

Por que não ir além?

Segundo Saulo Mota, o casal sempre teve o hábito de trabalhar voluntariamente em projetos sociais. “Por saber desse nosso envolvimento, um dia uma pessoa nos perguntou se podíamos ajudar uma família que estava passando por dificuldades financeiras. Foi ai que pensei: ‘por que não ir além’?. A partir disso é que decidi criar o projeto que foi imediatamente abraçado pela Jéssica”, relatou.

Os jovens recebem alimentos não perecíveis doados individualmente, cestas básicas prontas ou arrecadam a contribuição em dinheiro. “A partir disso, montamos a cesta e vamos entregando às famílias que entram em contato conosco. Apesar do pouco tempo, já estamos conseguindo alimentar algumas famílias”, contou a advogada.

Para contribuir basta acessar o instagram @_alimenteumavida e encaminhar uma mensagem via direct. Ou, se preferir, o contato pode ser feito diretamente com o casal pelos telefones: 62 993356144 ou 62 982616580.  “Nosso objetivo é simples: alimentar quem tem fome”, disse, por fim, Saulo Mota.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.