Médicos da Santa Casa organizam protesto contra condições precárias de trabalho

Hospital passa por dificuldades financeiras e está sob risco de interdição ética por parte do Conselho Regional de Medicina

O corpo clínico da Santa Casa de Misericórdia de Goiânia organiza para a próxima quinta-feira (31/8) um protesto em frente à sede do hospital, no setor Americano do Brasil. Os médicos reclamam da falta de condições de trabalho no local, em especial com a escassez de medicamentos e insumos.

Ao Jornal Opção, médicos relataram que faltam nos estoques do hospital medicamentos, em especial antibióticos, além de materiais como fios de sutura para cirurgia, sonda, dreno e, em alguns casos, até mesmo luvas e máscaras.

A mobilização que acontece a partir das 10 horas da manhã vai interromper todos os atendimentos clínicos e de exames nesta quinta, exceto emergência e pacientes que já estão internados. As cirurgias eletivas também serão remarcadas.

O Conselho Regional de Medicina de Goiás (Cremego) instaurou um procedimento de interdição ética da Santa Casa e deu um prazo até a próxima terça-feira (5/8) para que a apresentar um plano de correção das deficiências encontradas em vistoria realizada por um fiscal do conselho no local.

Caso o hospital não consiga dar uma reposta satisfatória no prazo determinado, os médicos serão impedidos de trabalhar na Santa Casa por tempo indeterminado.

A Santa Casa de Misericórdia, referência em Goiânia e em todo o Estado, é um hospital filantrópico, ou seja, sem fins lucrativos, cujo maior convênio, cerca de 93% dos atendimentos realizados, é com o Sistema Único de Saúde (SUS).

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.