Pai da criança, o homem teria contado ainda com a ajuda da mãe do recém-nascido

Divulgação

Um casal foi preso na última quinta-feira (31/8), em Manaus, suspeito de estuprar o próprio filho, um bebê de apenas 7 meses de idade. Conforme informações da Polícia Militar, o recém-nascido foi resgatado de um motel depois que funcionários ouviram o choro da criança e resolveram acionar a coporação.

O médico peruano de 45 anos, que atua em hospitais de municípios do Estado do Amazonas, e a jovem de 24 anos, mãe da bebê de sete meses, foram denunciados por estupro de vulnerável.

“No local indicado os policiais militares encontraram o médico, a jovem e a filha dela. Na ocasião, constataram que a bebê estava nua. Os policiais então pediram para uma camareira verificar a genitália da bebê, quando foi constatada certa vermelhidão na região, com indícios de estupro”, revelou Juliana Tuma, titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca).

Exame de corpo de delito comprovou o estupro e revelou, ainda, que os abusos já vinham acontecendo há bastante tempo. O recém-nascido está, agora, sob proteção judicial.

À polícia, a jovem de 24 anos confirmou que o médico seria pai da bebê, mas disse que ele nunca havia mostrado amor paternal pela filha. Ela contou que chegou à capital amazonense aos 15 anos para trabalhar na casa do médico, e, desde então, ele teria a estuprado por diversas vezes.

“Quando engravidou, passou a nutrir um sentimento por ele e, por isso, nunca o denunciou. A jovem afirmou que o médico é o pai da bebê, porém, ele só vai registrar a menina mediante comprovação da paternidade, por meio de exame de DNA”, declarou a titular da Depca.