Médico envolvido em esquema da Operação SOS Samu tem prisão expedida

Foragido, Maurício Batista Leitão participou de fraude no encaminhamento de pacientes a Unidades de Terapia Intensiva (UTI) da rede particular por meio de propina

Ambulâncias do Samu de Goiânia | Foto: Alexandre Parrode

O médico Maurício Batista Leitão, investigado pela Operação SOS Samu do Ministério Público de Goiás (MP-GO) teve o pedido de prisão decretado nesta terça-feira (3/4). Foragido, Maurício é suspeito de integrar esquema de encaminhamento irregular de pacientes para UTIs privadas em Goiânia por meio de propina.

Além de Maurício, a Justiça também expediu a prisão do condutor socorrista Ítalo Glenio Morais, também envolvido no esquema.

Deflagrada em 2016, a Operação SOS Samu investigou 31 pessoas envolvidas e denunciadas por corrupção passiva e ativa. Entre os denunciados estão outros médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, motoristas de ambulância, bombeiros e administradores de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs).

Os réus são acusados de integrar organização criminosa composta por empresários de (UTIs) e funcionários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Goiânia, na qual, por meio do pagamento de propinas, esses servidores encaminhavam pacientes que tivessem planos de saúde a determinadas UTIs, fraudando a regulação dos leitos.

Os valores pagos variavam, ficando entre R$ 100,00 e R$ 500,00 para os condutores socorristas, técnicos de enfermagem e enfermeiros do Samu, e chegando até o valor de uma diária de UTI no caso de médicos, estimada em até R$ 15 mil.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Tudo vira pizza

Tudo vira pizza neste país.
O médico citado está , segundo informações do próprio em processos judiciais, morando nos EUA.
Sei que especificamente em Thompson, Connecticut.
Curtindo a vida, dedicando um ano a carreira…
Curtindo festas e etc.
Enquanto isso, pacientes padecem nos hospitais públicos por falta de verbas.
Corrupção mata.