Médico declara apoio a Flávio Canedo e é demitido por Evandro Magal

O cirurgião João Osório filiou-se ao MDB de Daniel Vilela e fez uma fotografia com Flávio Canedo. O prefeito não perdoou e o afastou

A fotografia que provocou a demissão de João Osório | Foto: Divulgação

O prefeito de Caldas Novas, Evandro Magal, posa de democrata, mas até aliados o chamam de “democraduro”. “Aquele auxiliar que não reza 100% por sua cartilha é demitido sumariamente e, até, perseguido”, afirma um vereador. A mais recente vítima é o médico João Osório Martins Cardoso, apontado pelos colegas como um dos principais cirurgiões da região.

João Osório e Evandro Magal: o prefeito costumava dizer que era “Deus no Céu e João Osório na Terra” | Foto: Reprodução

Bastou aparecer numa fotografia ao lado do pré-candidato a prefeito pelo PL, Flávio Canedo, para João Osório ser demitido, sem qualquer aviso prévio. Além de aparecer na foto, o médico declarou que, filiando-se ao MDB, irá apoiar a candidatura do empresário e presidente do Partido Liberal. “Eu me filiei ao MDB, ao receber convite de Daniel Vilela, e apareci numa foto com o meu amigo Flávio Canedo. Fico triste com esse tipo de perseguição, que pensei que já havia acabado no país. Fico triste por causa de meus pacientes, muitos deles pobres”, disse João Osório ao Jornal Opção na terça-feira, 31.

Postagem de vereador Léo de Oliveira mostra que Evandro Magal tinha uma excelente opinião sobre o médico João Osório | Foto: Reprodução

Segundo um aliado de Evandro Magal, a demissão foi um aviso geral: o próximo que declarar apoio a Flávio Canedo ou a Kleber Marra também será demitido. O prefeito teria afirmado que os cargos são “seus”. Comenta-se que pelo menos dois auxiliares do prefeito pretendem abandonar o barco nos próximos dias.

O vereador Léo de Oliveira afirma que Evandro Magal — que os adversários chamam de “Maugal” — chamava João Osório de “Mãos de Anjo”, dada a habilidade do médico ao fazer cirurgias.

O Ministério Público e a OAB-Seção de Caldas Novas não se manifestaram sobre a demissão — e perseguição  — do médico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.