Governador afirma que orientações dadas pelo Tribunal são repassadas imediatamente aos secretários de Estado

Foto: Divulgação

Durante apresentação dos trabalhos mais relevantes desenvolvidos pelo Tribunal de Contas do Estado no biênio 2017/2018 ao governador e secretários de Estado, Ronaldo Caiado fez um convite ao TCE: “Quero fazer um compromisso com o Tribunal. Me ajudem e vocês terão todas as portas do governo abertas”, disse.

“Quero receber sugestões, me encaminhem por escrito, mandem por email. Quantas vezes eu venho aqui conversar com o presidente [conselheiro Celmar Rech] e ele me dá orientações que repasso imediatamente aos meus secretários”, afirmou Caiado.

O governador disse ainda que, antes de se fazer uma auditoria para constatar o que foi feito de errado, é melhor fazer uma medicina preventiva. Ele citou ainda o programa de Compliance Público implantado em todos os órgãos do Estado.  

Salários

Na solenidade, o governador fez uma crítica à gestão passada que não teria repassado recursos da educação, merenda e transporte escolar, saúde, honorários de advogados dativos e pagava salários. “Essa é a regra?”, questionou Caiado.

“Ao entrar no governo determinei que não se usasse R$ 1 de qualquer rubrica que não fosse para aquele fim. Dos 246 prefeitos, apenas 14 me apoiaram e desde o primeiro dia do meu governo passei rigorosamente o percentual de cada um para a saúde, merenda e transporte escolar. Não retive um centavo”, pontuou o governador.

Recuperação Fiscal

Dirigindo-se aos auditores do TCE, Caiado explicou que governo federal propõe um plano de recuperação fiscal. “Estou trabalhando para conseguir esse empréstimo e quitar a folha de pagamento que não é minha e que foi transferida irresponsavelmente a mim sem sequer ser empenhado”.

O governador também falou sobre as decisões judiciais que o Estado recebe determinando a nomeação de pessoas. “Nós estamos em calamidade financeira, sem conseguir empréstimo do governo federal, sem consequir reequilibrar as contas, como vou fazer concurso?”.

Caiado pediu ajuda ao Tribunal para saber qual lei o governo de Goiás deverá cumprir: “A lei federal ou de Goiás? Para conseguir o empréstimo preciso seguir a lei federal, ou seja não posso contratar. Se eu não contratar serei processado. Se eu realizar concurso, o governo federal entende que não estou em crise pois isso fere a metodologia do tesouro”, explicou.