Marina Silva chama aliança de PSB com Alckmin em São Paulo de “equívoco”

A ex-senadora afirmou que a Rede vem buscando uma alternativa que não envolva o PT e o PSDB no poder

Foto: Pedro Ladeira/ AFP

Foto: Pedro Ladeira/ AFP

A pré-candidata à vice-presidência Marina Silva (PSB), que integra chapa encabeçada pelo pré-candidato à presidência Eduardo Campos (PSB), divulgou neste sábado (7/6) uma nota criticando a decisão do partido em apoiar a reeleição do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). Na última sexta-feira (6/6) o diretório estadual do PSB de São Paulo em reunião aprovou por unanimidade o apoio ao PSDB no Estado. “A Rede Sustentabilidade não seguirá essa indicação”, disse em nota.

A ex-senadora se filiou ao PSB após não conseguir registrar a Rede Sustentabilidade, por onde pretendia lançar candidatura própria à presidência. Marina Silva afirmou que a Rede vem buscando uma alternativa que não envolva o PT e o PSDB no poder e ainda diz que pretende chegar a uma nova forma de fazer política que represente os ideais de democracia e sustentabilidade que pregam.

Veja na íntegra a nota da ex-senadora:

Juntamente com todos os integrantes da Rede Sustentabilidade, discordo da indicação aprovada ontem na reunião do diretório estadual do PSB de São Paulo de apoiar o projeto político do PSDB. Para nós, isso é um equívoco. Consideramos necessário manter independência e lançar uma candidatura própria, que dê suporte ao projeto de mudança para o Brasil liderado por Eduardo Campos, e que dê ao povo de São Paulo a chance de fazer essa mudança também no âmbito estadual.

A Rede Sustentabilidade não seguirá essa indicação. Em todo o país, estamos debatendo o assunto e apoiando nossos companheiros de São Paulo na busca de uma alternativa que supere a velha polarização PT-PSDB, e que proporcione apoio efetivo à candidatura de Eduardo Campos, que demonstre uma nova forma de fazer política e, principalmente, que represente os ideais de democracia e sustentabilidade expressos no programa de nossa Aliança.

Esperamos que os companheiros do PSB, em sua convenção estadual, não levem adiante essa proposta. Nesse sentido, manteremos o diálogo aberto e respeitoso. Mas, desde já, deixamos clara nossa posição de que, caso essa indicação não seja revertida, seguiremos caminho próprio e independente em São Paulo.

A nova força política que emerge no Brasil, interpretando o desejo de mudança tantas vezes manifestado por milhões de pessoas, encontrará também em São Paulo sua legítima expressão.

Marina Silva

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.