O marqueteiro goiano Marcus Vinicius Queiroz (foto) — o Midas que deu certo — está se especializando numa grande arte: derrotar o marqueteiro baiano Duda Mendonça. Não, os dois não disputaram eleições. Porém, na Colômbia, Duda articulou a campanha de Óscar Zuluaga, o mais votado no primeiro turno, e Marcus Vinicius assumiu a campanha do presidente Juan Manuel Santos no segundo turno. Parecia tudo perdido e Zuluaga já estava se preparando para encomendar o terno da posse.

Marcus Vinicius, misturando otimismo e realismo, disse a Juan Manuel que era possível “virar” o jogo. Em poucos dias, com algumas mudanças no marketing, o presidente colombiano saltou para primeiro e ganhou as eleições. Duda saiu da Colômbia com mais uma derrota nas costas. Ele teria dito: “Esse Marcus Vinicius ainda vai me pagar!”

Em seguida, Duda passou a atuar na campanha de Sandoval Cardoso (Solidariedade), na disputa pelo governo do Tocantins. Ele teve uma atuação pública mais ou menos discreta; entretanto, como eminência parda, orientou com firmeza o governador. O publicitário, que é apresentado como uma espécie de “mago”, teria dito que seria mamão com açúcar “virar” e ganhar a eleição do peemedebista-chefe. Marcus Vinicius, dirigindo a campanha de Marcelo Miranda — com sua calma habitual, meio zen —, articulou um marketing simples, mas criativo e perceptivo. Com grande habilidade, desarmou as “bombas” da equipe de Duda, transformando-as em traque, e devolveu mísseis de longo alcance. Consta que “Sandomal” está irritadíssimo com Duda.

Resultado: Marcelo Miranda foi eleito governador e Marcus Vinicius derrotou, no mesmo ano, Duda Mendonça pela segunda vez. O que será que o mago baiano vai dizer desta vez? Uma dica: “Esse Marcus Vinicius precisa me ensinar o pulo do gato!”