Marconi vai se reunir com Ministro da Justiça para apresentar investimentos em presídios

Encontro com Torquato Jardim deve acontecer nesta terça-feira (9/1), em Brasília

Governador de Goiás, Marconi Perillo, em reunião com a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia | Foto: Fernando Leite

O governador de Goiás, Marconi Perillo, afirmou em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (8/1), que vai se reunir nesta terça-feira (9/1) com o ministro da Justiça Torquato Jardim.

O objetivo do encontro é para apresentar um relatório com o cronograma de execução das obras dos presídios no estado.

“Nos recebemos em 2016 cerca de R$ 60 milhões de reais do Departamento Penitenciário Nacional (Depen). Nós investimos somente em 2017, R$ 501 milhões de reais. Vou mostrar ao ministro que nós estamos investindo muitas vezes mais do que nos é repassado”.

O vice-governador José Eliton esteve com o ministro nesta segunda-feira (8/1) em Brasília para agendar o encontro com Marconi.

A visita aconteceu depois que Torquato Jardim afirmou em entrevista ao “Globo” que o governo federal tem responsabilidade “absolutamente zero” pelas rebeliões nos presídios em Goiás.

Na publicação, o ministro declarou que o governo Goiás incorreu num ato ilícito, com desrespeito à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e à Lei Orçamentária Anual (LOA), ao receber R$ 44,7 milhões do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) e deixar de transferir o dinheiro para contas específicas.

De acordo com o periódico, dados do Ministério da Justiça apontam que Goiás gastou apenas R$ 7,7 milhões do total repassado em dezembro de 2016, o que representa 17,2% do total.

Contradizendo o ministro da Justiça, Marconi apresentou em reunião nesta segunda-feira (8/1) com a presidente Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça, ministra Cármen Lúcia, relatório detalhado com números dos investimentos feitos pelo executivo.

“Informei a ministra a respeito de todas as providencias e investimentos feitos pelo governo do estado desde 2011 até 2017. Só para se ter ideia, somente em 2017 nós investimos em segurança publicas e no sistema prisional, R$3,2 bilhões e eu apresentei também a evolução do que foi feito de investimentos nesse período. R$ 40 milhões em 2011, R$ 501 milhões no sistema prisional em 2017”.

Alem disso, o governador disse que apresentou dados que comprovam que todos os indicadores de violência  foram reduzidos em Goiás nos últimos 12 meses.

“Os recursos que são disponibilizados para o sistema são recursos estaduais. Nós investimos em 7 anos, R$ 16 bilhões de reais na segurança de Goiás. Só no sistema de execução penal foram R$ 2 bilhões. O que faltam são iniciativas de outras esferas que poderão completar o que temos feito”.

Marconi também voltou a cobrar investimentos da União para cobrir o ônus que o estado tem com os presos federais

“Goiás abriga hoje cerca de cinco mil presos federais e que deveriam estar em prisões federais. Se eles  estivessem lá, não teríamos aqui, e em todos estados brasileiros excesso de presos em presídios”.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Eliezer Neiva

Os Governos estaduais e Federal tem que quebrar esta paradigma que presidio é despesa e sim investimento trans formar os presidio como empresa ,que o presidiario trabalha recolher dos os encargos sociais como INSS, FGTS ,recolhe ICMS,crias industria ocupacional, como fabrica de confecções , moves ,oficinas mecânicas e etc. com parceria com o Senai na qualificação de mão de obra Sebrae para orientação de colocar os produtos no mercado ,que os lucro seja revertido na manutenção dos presidio. Á gora para solucionar o problema definitivo da super lotação do complexo prisional da grande Goiânia é a construção de imediato de… Leia mais