Marconi Perillo deixa sede da PF em Goiânia após receber habeas corpus

Tucano deixou a sede da Polícia Federal, no Setor Pedro Ludovico, em Goiânia, por volta de 16h30 e não falou com a imprensa

Preso na última quarta-feira (10/10), enquanto prestava depoimento à Polícia Federal, o ex-governador Marconi Perillo (PSDB) foi solto na tarde desta quinta-feira (11) após o desembargador federal Olindo Menezes atender pedido de habeas corpus feito pela defesa do político.

O tucano deixou a sede da Polícia Federal, no Setor Pedro Ludovico, em Goiânia, por volta de 16h30 e não falou com a imprensa. Ele passou a noite no local. A oficial de Justiça que levou a ordem de soltura informou que o político estava “visivelmente abatido”.

Na decisão liminar, Olindo Menezes afirmou não haver necessidade da decretação de prisão cautelar e diz que o resultado das buscas e apreensões, ocorridas na deflagração da operação Cash Delivery no mês passado, e os fatos relacionados à campanhas de 2010 e 2014, “ainda que tenham alguma lógica, não têm a consistência que implique, justifique ou explique a prisão preventiva”

“No caso há apenas uma fundamentação de ordem subjetiva fundada na suposição de que os investigados estejam reiterando a prática criminosa, em ordem a justificar a prisão cautelar para garantir a ordem pública. No caso, reputo a prisão desnecessária e em nenhum traço concreto de cautelaridade, com a devida licença do magistrado”, diz o desembargador.

Em nota, o advogado Antônio Carlos Almeida, o Kakay, voltou a defender que a prisão era arbitrária e reforçou a inocência do tucano. “Como adiantamos desde o primeiro momento a prisão era ilegal, arbitrária e infundada e, de certa maneira, afrontava outras decisões de liberdade que já foram concedidas nesta mesma operação”, diz o comunicado. (Leia abaixo na íntegra)

A Defesa de Marconi Perillo acaba de conseguir uma liminar no Tribunal Regional Federal para a imediata LIBERDADE do ex Governador. Como adiantamos desde o primeiro momento a prisão era ilegal, arbitrária e infundada e de certa maneira afrontava outras decisões de liberdade que ja foram concedidas nesta mesma operação. A Defesa não tem nenhuma preocupação com os fatos investigados e temos absoluta convicção na inocência plena do Marconi. O que pedimos, desde o início, é o respeito às garantias constitucionais . Ninguém esta acima da lei e apoiamos toda e qualquer investigação, mas sem prejulgamentos e sem o uso desnecessário de medidas abusivas

KAKAY

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.