Marconi: “Não vamos privatizar a Saneago”

Durante programa Governador Responde, Marconi falou sobre a nova diretoria da estatal o momento político no País

Governador Responde Fotos Eduardo Ferreira

Marconi Perillo durante gravação do programa Governador Responde | Fotos Eduardo Ferreira

O governador Marconi Perillo (PSDB) esclareceu nesta sexta-feira (2/9) que o governo estadual não tem interesse em privatizar a empresa de Saneamento de Goiás (Saneago). Segundo Marconi, o posicionamento já foi inclusive exposto à nova diretoria da estatal em uma primeira reunião nesta sexta. “Hoje a Saneago recebeu meu posicionamento formal de que essa história de privatização não existe. Não temos interesse de privatizar a Saneago neste governo. Vamos dar todo o apoio para que a Saneago possa melhorar cada vez mais a qualidade dos seus serviços ofertados à população”, declarou.

Ele explicou ainda que a nova gestão prioriza os servidores de carreira  que vão ocupar superintendências e as principais diretorias. “Essa é uma forma de nós mostrarmos internamente na Saneago e ao mercado que a companhia está bem”.

Marconi avaliou como positiva a composição da nova mesa diretora, com alto nível técnico maior representatividade feminina. “Elegemos duas mulheres que são engenheiras, profissionais da mais alta qualidade. Essa diretoria nova será liderada pelo presidente José Carlos Siqueira, que é uma pessoa muito experiente, um auditor que trabalhou nos tribunais de contas e na alta administração ao longo de uma vida, que está amparado por diretores muito experientes também”, explicou.

As declarações foram feitas pelo governador de Goiás em resposta aos internautas, em mais uma edição do programa Governador Responde. Entre outros assuntos, o governador também falou sobre o governo do presidente Michel Temer, superação da crise econômica e geração de energia.

Governo Temer

Em resposta às perguntas dos internautas, Marconi Perillo falou sobre a relação com o novo governo federal. Para ele, o compromisso deve ser sempre com a governabilidade, prezando sempre pela relação de “alto nível, respeitosa e republicana”.  “Eu já convivi com quatro presidentes da República na condição de governador do Estado. […] E a minha relação institucional sempre foi uma relação de alto nível, respeitosa, republicana. Não é diferente com o governo Temer”.

“Apesar de ser um governo de um partido que em Goiás é oposição ao meu, em Brasília não há isso. Em Brasília integramos a base de apoio ao presidente. O PSDB apoia o presidente, tem ministros; e o maior compromisso que nós temos é com a governabilidade, fundamentalmente com as reformas, com a retomada do desenvolvimento”, completou.

Com o fim do processo de impeachment, Marconi considera que o Brasil tenha “virado a página da crise política” e pode agora retomar o crescimento. “O que esperamos agora é que o governo Temer tenha apoio congressual para apoiar as reformas e as medidas capazes de fazer com que o Brasil possa se desenvolver de novo, crescer de novo”.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.