Marconi fala sobre os avanços da Segurança Pública em Goiás

Governador defendeu maior participação da União em investimentos na área, além da criação de um Sistema Único de Segurança Pública e do Fundo Nacional de Segurança

Foto: Eduardo Ferreira

Governador Marconi Perillo ao lado do presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, João Ricardo dos Santos Costa | Foto: Eduardo Ferreira

O governador Marconi Perillo (PSDB) realizou uma palestra na manhã desta sexta-feira (30/10), no XXII Congresso Brasileiro de Magistrados, sobre o tema Segurança Pública e o Poder Judiciário. Marconi falou aos participantes sobre as dificuldades e melhorias na área no Estado, e que entre 2011 e 2014 aumentou o orçamento para Segurança em 47,31%.

O tucano citou programas que o governo implantou na Segurança Pública durante os últimos quatro anos. Marconi falou ainda que a parceria com o Poder Judiciário e com o Conselho Nacional de Justiça é extremamente importante no que se refere ao cumprimento da execução penal e para barrar a criminalidade.

O governador reiterou que defende a criação de um Sistema Único de Segurança Pública e do Fundo Nacional de Segurança Pública, além de defender a participação da União nos gastos com segurança pública. “Devemos ter esse vínculo com o governo federal. Os Estados precisam de recursos para investir em inteligência e gestão. Temos feito uma pressão ao Congresso Nacional para liberação de verbas do Fundo Penitenciário Nacional”, ressaltou.

Para o tucano, o Brasil necessita de mais presídios de segurança máxima e de uma política mais austera com relação aos países vizinhos que são permissivos com a entrada de drogas e de armas em nossas fronteiras. “Em Goiás, estamos investindo fortemente no sistema prisional”, completou acrescentando que houve avanços positivos com a recente adoção das audiências de custódia realizadas no Estado.

Reforma do Judiciário

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, que também estava no Congresso, falou sobre o direito e a transformação social no mundo contemporâneo. “O Brasil vive uma ascensão do Poder Judiciário. Os juízes agora não são apenas técnicos das normas e leis, o papel político foi acoplado pelo Judiciário. O mundo contemporâneo colocou os juízes como coparticipantes dos casos julgados”, disse.

Barroso frisou que o judiciário não é capaz de mudar o mundo, mas sim a qualidade dos discursos. O ministro ainda discorreu sobre o atual modelo eleitoral brasileiro que causa uma perda de legitimidade democrática na sociedade.

Este slideshow necessita de JavaScript.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.