Marconi discute projeto que torna Anápolis o principal centro logístico do Brasil

Governador explicou que cruzamentos da Ferrovia Norte Sul com rodovias goianas têm tido muitos acidentes e pediu que Valec solucione problemas

Governador discute pontos do projeto com diretor da Valec | Foto: Humberto Silva

Governador discute pontos do projeto com diretor da Valec | Foto: Humberto Silva

 

O governador Marconi Perillo (PSDB) se reuniu nesta quarta-feira (31/8) com o diretor-presidente da Valec, Mário Mondolfo, e o secretário estadual de Gestão e Planejamento, Joaquim Mesquita, para discutir uma modelagem que integre a Plataforma Logística de Anápolis ao pátio de cargas da Ferrovia Norte Sul. De acordo com Marconi, a integração da plataforma ao polo da Norte Sul agregará valor ao Aeroporto de Cargas.

A Valec tinha desde sua concepção a previsão de integração com plataformas multimodais como a de Anápolis, explicou o presidente da empresa. “Com essa integração, Anápolis passará a ser o principal centro logístico do Brasil”, defendeu Marconi.

Na audiência, o governador solicitou providências da Valec para solucionar os problemas das intersecções da ferrovia em seu tramo Sul. Ele contou que alguns cruzamentos têm gerado acidentes nas rodovias estaduais em função do atraso das obras e pediu que o assunto seja tratado como absoluta prioridade. A diretoria da Valec explicou que problemas conjunturais atrasaram o andamento da obra, que prevê a ligação da Ferrovia, passando por solo goiano, até Estrela D´Oeste, em São Paulo, com a construção de dois polos nas cidades de Santa Helena e São Simão.

O diretor de operações da empresa, Marcus Expedito, informou que o polo de Santa Helena será o maior da ferrovia e armazenará soja, milho e açúcar, dentre outros produtos agrícolas produzidos no Sudoeste goiano, aproximando o mercado com os portos de Santos (SP), Itaqui (MA) e Ilhéus (BA).

Segundo ele, a Valec também desenvolve um projeto executivo para a construção de um novo Porto em São Simão, que deverá escoar soja, farelo de soja e biocombustível. Tratativas nesse sentido estão sendo discutidas com o principal grupo investidor da região que deseja ter acesso a uma nova modalidade de transporte que não seja apenas a Hidrovia Paranaíba-Paraná-Tietê.

Os polos de cargas ao longo da Ferrovia Norte Sul são centros de transferência de cargas e serviços logísticos, ancorados em uma operação ferroviária. O transporte é caracterizado pela utilização de dois ou mais modais de transporte, sendo utilizados pela Ferrovia Norte Sul no momento o rodoviário e o ferroviário em uma mesma solução logística. Quando utilizada de forma racional, a intermodalidade pode reduzir os custos logísticos. O projeto original da Norte Sul e seus ramais prevê a construção de polos nas cidades goianas de Uruaçu, Anápolis, Santa Helena e São Simão. (Com informações do Gabinete de Imprensa do Governador de Goiás)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.