Ninho tucano passou por prévias e decidiu entre João Doria e Eduardo Leite como pré-candidatos. Após desistência de Dória, PSDB está, até o momento, fora da corrida presidencial

As eleições de 2022 estão ainda com candidatos indefinidos, tanto em nível nacional quanto estadual. Para o cargo de presidente da República, a chamada “terceira-via” tem ido para o caminho de unir forças em torno de um único nome, sendo o da senadora Simone Tebet (MDB). Entretanto, o presidente do PSDB em Goiás, Marconi Perillo, que apoiou com afinco a pré-candidatura de João Doria (PSDB), agora sugere que Eduardo Leite (PSDB), que ficou em segundo lugar nas prévias tucanas, seja a aposta do partido.

Perillo diz que o PSDB deve apoiar um candidato da própria sigla e que respeita a desistência de Doria. “O PSDB tem que caminhar com o segundo colocado nas prévias, que é o ex-governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. É um excelente nome, foi um excelente gestor, representa a renovação da política brasileira, é sério, ético e muito respeitado por todos”.

Diante da possibilidade de Simone Tebet representar a saída diante da polarização entre Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL), Marconi destaca que o PSDB “se dá ao luxo de ter um bom nome e apresentar ao Brasil um pré-candidato com excelente qualidade” e que ainda é cedo para falar sobre o apoio à Tebet. “Nós ainda temos que aguardar o que vai acontecer daqui para frente. O que eu posso dizer é que vou batalhar dentro do PSDB para que o partido tenha candidato próprio, afinal de contas desde 1989, com Mário Covas, que o PSDB teve candidato em todas as eleições”, disse.