Marconi anuncia aumento do Crédito Produtivo da GoiásFomento

Limite do Crédito Produtivo passará de R$ 30 para R$ 50 mil; desde 2004, programa já efetuou 140 mil operações

Marconi também participou do lançamento da Cartilha | Foto: Henrique Luiz

Marconi também participou do lançamento da Cartilha do Passo a Passo de Abertura de Empresas | Foto: Henrique Luiz

O governador Marconi Perillo (PSDB) anunciou, nesta quarta-feira (7/12), a ampliação do limite dos empréstimos do Crédito Produtivo, da GoiásFomento, que passará de R$ 30 para R$50 mil. O anúncio foi feito durante evento em também foi lançada a Cartilha do Passo a Passo de Abertura de Empresas, e entregou certificados do Plano de Negócios Para Empreendedores, curso oferecido pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SED), exigido para que o tomador consiga o empréstimo.

O Crédito Produtivo é uma linha de crédito criada em 2004 e tem como agente financeiro a GoiásFomento. Desde sua criação, o programa já atendeu a mais de 20 mil empresas, que saíram da informalidade, passaram a movimentar a economia e a gerar empregos. Conforme destacou Marconi, o Crédito Produtivo já disponibilizou R$ 152 milhões em operações, e tem em caixa mais R$ 76 milhões para novos empréstimos.

Ele lembrou a criação da GoiásFomento: “Quando ganhei as eleições em 1998, dois ou três dias depois o então governo estadual enviou um projeto de lei para a Assembleia federalizando o BEG. Naquela época, dfalavam que eu iria privatizar o BEG. Fizeram um terrorismo que eles mesmos foram os responsáveis. Aí comecei uma cruzada ao lado do então ministro da Fazenda, Pedro Malan, do presidente do Banco Central, Gustavo Franco, e do presidente Fernando Henrique Cardoso, pela criação de um banco de fomento para o Estado”, lembrou.

O governo federal acabou por liberar R$ 70 milhões de aporte, e o governo estadual, R$ 10 milhões. Com isso, foi criada a Agência de Fomento, que se transformou, mais tarde, na GoiásFomento.

“Começamos a GoiasFomento com R$ 80 milhões. Aqueles R$ 80 milhões de capitalização inicial viraram R$ 152 milhões em operações que já foram feitas e geraram empregos, e mais R$ 76 milhões que estão no caixa da GoiásFomento. Temos quase que aqueles R$ 80 milhões do início e mais R$ 152 milhões circulando, o que dá R$ 228 milhões movimentando a economia. Tenho orgulho de administrar um banco de fomento que, ao contrário dos outros que faliram, está muito bem”, afirmou o governador.

O crédito produtivo empresta a juros de 0,8% ao mês, com carência de até seis meses para começar a pagar, e prazo de pagamento de até 36 meses. “Não existe no Brasil linha de crédito com essa taxa de juros”, observou o secretário da SED, Luiz Maronezi. Ao lado de Maronezi e do presidente da GoiásFomento, Henrique Tibúrcio, o governador também entregou a Cartilha do Passo a Passo de Abertura de Empresas e certificados do curso que é pré-requisito para pleitear o empréstimo.

“Os cursos do plano de negócios para empreendedores ensinam o empresariado técnicas de planejamento empresarial e orientações para montar e manter seus negócios. Ou seja, mais do que oferecer o dinheiro para os negócios, nós oferecemos conhecimento e capacitação para os empresários. Assim, eles terão condição de multiplicar o valor inicial e contribuir, eles também, com o crescimento do Estado”, afirmou Marconi. O vice-governador José Eliton (PSDB) também participou da solenidade.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.