Marcelo Miranda comemora manutenção de candidatura e inicia conversações para escolher novo vice

Apesar do parecer favorável, o grupo governista ainda deve recorrer da decisão do tribunal

Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) manteve na noite da última quinta-feira (11/9) a candidatura do ex-governador Marcelo Miranda (PMDB), que teve o registro questionado pela coligação governista por ter sido condenado por crime eleitoral referente às eleições de 2006.  Na mesma sessão, o tribunal aceitou o provimento ao recurso contra seu candidato a vice, Marcelo Lelis (PV). Caso a decisão seja mantida até última instância, o pevista ficará inelegível até 2020.

A manutenção da candidatura de Miranda foi decidida por votação unânime e considerou o fato de sua cassação em 2009 vencer no próximo dia 1º de outubro, quatro dias antes das eleições deste ano. Ao tomar conhecimento da decisão, durante discurso no município de Dianópolis, o peemedebista comemorou: “Aos meus perseguidores, mais uma derrota”. “Ou eles vencem essa eleição ou serão enterrados no cemitério da história para sempre”, acrescentou.

Apesar do parecer favorável, o grupo governista ainda deve recorrer da decisão do tribunal. Em entrevista ao Jornal Opção Online, o assessor de Marcelo Miranda, Melck Aquino, alegou que o peemedebista está “absolutamente tranquilo” quanto a isso. “Agora, qualquer recurso que tiver para eles protocolarem, o supremo só irá analisar se tiver indícios de inconstitucionalidade”, explicou.

Novo Vice

Com apenas 10 dias para efetuar a troca do candidato a vice-governador, a coligação “A Experiência Faz a Mudança” — composta por PMDB, PV, PT e PSD — irá se reunir nessa sexta-feira (12) e no fim de semana para definir quem ocupará o cargo deixado por Lelis. De acordo com a assessoria de Marcelo Miranda, o anúncio oficial deve vir na próxima segunda-feira (15) durante coletiva de imprensa.

Marcelo Lelis foi condenado por abuso de poder econômico devido a gastos excessivos com cabos eleitorais e distribuição de gasolina nas eleições de 2012. A defesa do pevista havia alegado que a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TO) estava incompleta e não poderia surtir efeitos porque estão pendentes de julgamento recursos apresentados ao próprio tribunal. O argumento, todavia, foi rejeitado pela maioria dos ministros do TSE.

Em carta aberta divulgada na manhã desta sexta-feira, Lelis renunciou oficialmente a candidatura a vice-governador visando “por fim a qualquer argumento oposicionista de instabilidade político” e “fortalecer” a campanha da coligação encabeçada por Marcelo Miranda.

Nos bastidores, vários nomes são cogitados para substituir o político. Dentre eles, o mais mencionado é o da publicitária Cláudia Lelis (PV), esposa do ex-candidato.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.