Major Araújo diz que permanência de detentos em Planaltina evita que eles cometam crimes

Parlamentar afirma ainda que não há privação de contato dos detentos com as família, apenas distância

Deputado estadual Major Araújo (PSL) Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

O deputado estadual Major Araújo (PSL) diz que a permanência dos detentos no presídio de segurança máxima de Planaltina evita que eles cometam crimes enquanto internos. A fala do parlamentar rebate a mobilização de familiares e presidiários sobre demandas em relação a visitas, melhoria na alimentação e visitas íntimas.

Araújo afirma que não há privação de contato dos detentos com as família, apenas distância, já que eles foram transferidos dos presídios de origem. Ele diz ainda que as condições estruturais da unidade são “mais confortáveis” e considera a manifestação legítima. “Mas é descabida. Quem causou essa situação foram os próprios presos, através de crimes praticados em presídios e guerras de facções”, salienta.

O parlamentar considera ainda que é necessário que o poder público intervenha, a vida deles podem correr risco de morte.

Demandas

Em novembro, 127 detentos do presídio de Planaltina assinaram carta em que  demonstram insatisfação, sobretudo pela falta de visitas íntimas e visitas comuns. Eles alegam ainda que a comida não é boa e insuficiente e exigem banho de sol nos fins de semana.

No fim de setembro, familiares dos detentos protestaram, durante sessão da Comissão de Segurança Pública, por melhores condições aos detentos do presídio do município de Planaltina. De acordo com elas, falta água para os reeducandos. Além disso elas reclamam da alimentação fornecida.

Na ocasião, a pedido do líder do governo na Casa, o deputado Bruno Peixoto (MDB), um requerimento foi aprovado em caráter de urgência para que a Secretaria de Segurança Pública responda demandas apresentadas por familiares de detentos.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.