Major Araújo afirma que alterações em projeto que extingue Soldado de 3ª Classe agradam categoria

“Tivemos um diálogo e discutimos o que estava afligindo os soldados, que era o interstício e a reposição das vagas que foram suprimidas”, diz deputado

Foto: Reprodução

O deputado Major Araújo falou ao Jornal Opção sobre o projeto de lei que reestrutura as carreiras das forças policiais goianas e extingue a graduação de Soldado de 3ª Classe. Segundo o parlamentar, após várias reuniões de deputados com comissões e representantes dos quase quatro mil soldados que são afetados pela matéria, algumas reivindicações da categoria foram atendidas.

A principal mudança refere-se ao interstício para a promoção dos policiais. O projeto inicial determinava que somente após cinco anos na graduação de Soldado de 2ª Classe é que seria realizada promoção à graduação de Soldado de 1ª Classe.

Segundo o deputado, com a inclusão da contagem do tempo de serviço já prestado para a promoção à primeira classe, a promoção se dará em dois anos. “São alterações que eu já tinha apontado e na chegada à Alego puderam ser revistas”, explicou o deputado.

“Tivemos um diálogo e discutimos o que estava afligindo os soldados, que era o interstício e a reposição das vagas que foram suprimidas para compor o quadro de Soldado de 3ª Classe”, disse o Major ao explicar que a restituição dos postos irá diminuir o tempo de progressão na carreira.  

Para o parlamentar, as alterações no projetou agradou a categoria. “Eles estão satisfeitos com as mudanças. Acredito que não deve ter oposição ao projeto de lei até porque beneficia a categoria e é um consenso na Casa”, finalizou o Major.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

João

Satisfeitos não, porque não foram cumpridas as promessas de governo, que era acabar com a diferença de classes. Governador não é homem de palavra e muito menos honrado. Todos os atuais deputados da categoria militar juntamente com o atual governador não terão meu voto nem para presidente de bairro. Contudo, é melhor do que continuarmos na atual situação, sacrificando nossa convivência no lar com nossos familiares de tanto fazer serviço extra pra conseguir sobreviver minimamente.