Mais de 9 mil brasileiros se inscreveram para “Desafio Humano”

Voluntários receberão vacina contra Covid-19 ainda em teste e, posteriormente, serão propositalmente infectados com novo coronavírus, para que pesquisadores observem eficácia do imunizante

Foto: Reprodução | Dado Ruvic/Reuters

A organização americana 1DaySooner, criada em abril para advogar pela realização do estudo “desafio humano”, registrou a inscrição de 32 mil voluntários de 140 países que se dizem dispostos a participar do teste. Ao jornal Estadão, um representante da organização revelou que mais de 9 mil são brasileiros se disponibilizaram para fazer parte do experimento.

A ideia de infectar propositalmente pessoas com o coronavírus para acelerar os testes de uma possível vacina é controversa, mas vem ganhando força na comunidade científica.

Críticos ao estudo apontam a implicação ética de expor voluntários a uma doença sem um tratamento comprovadamente eficaz. Enquanto os defensores dizem que ele poderia salvar milhares de vidas ao antecipar a descoberta de uma vacina eficiente.

No estudo de desafio humano, voluntários recebem a vacina em teste ou o placebo e, posteriormente, são infectados com o vírus, o que permite que pesquisadores observem eficácia do imunizante mais rapidamente.

Nos testes tradicionais, a prova da eficácia depende do contato natural dos voluntários com o patógeno. Nesse modelo, é necessário incluir um grande número de participantes e monitorá-los por meses ou anos para comparar os índices de infecção entre os que tomaram a vacina e o grupo controlado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.