Mais de 6 mil faltas sem justificativa nesta legislatura; deputado goiano é o segundo mais faltoso

Contabilizando as faltas de todos os deputados federais, entre os dias 1º de fevereiro de 2011 e 31 de julho de 2014 foram 6.063 faltas não justificadas. Na legislatura passada foram 5.337

Ano atípico, por conta das eleições de 5 de outubro, mas principalmente pela realização da Copa do Mundo no Brasil –– que consumiu metade dos meses de junho e julho ––, o ano legislativo de 2014 está consideravelmente menor. Em contrapartida, desde o início da atual legislatura, em 2011, está maior o número de faltas dos deputados federais. A seis meses do fim deste mandato, os parlamentares da Câmara Federal haviam registrado 726 ausências a mais que a quantidade verificada na legislatura anterior: segundo levantamento feito pelo jornal “Correio Braziliense” publicado nesta segunda-feira (11/8), entre os dias 1º de fevereiro de 2011 e 31 de julho de 2014 foram 6.063 faltas não justificadas, enquanto na legislatura passada foram 5.337 ausências.

O mais faltoso é o deputado Wladimir Costa, do Solidariedade do Pará (160 faltas desde 2011, das quais 81 sem justificativa); seguido, em segundo lugar no ranking pelo deputado goiano Sandro Mabel, do PMDB. O peemedebista, segundo o Portal da Transparência da Câmara dos Deputados, faltou a 126 dos 360 dias de sessão até 31 de julho, sendo que 70 faltas estão registradas como injustificadas. O parlamentar, que está em seu quarto mandato e anunciou este ano à imprensa goiana que não disputaria novamente, afirma que esse número se deve, provavelmente, às sessões das quintas-feiras, data em que ele deixa Brasília pela manhã para cumprir compromissos na em Goiânia. Sandro Mabel faz parte da equipe que coordena a campanha do candidato ao governo Iris Rezende (PMDB).

Em terceiro está o tucano Bonifácio Andrada, de Minas Gerais, com 91 faltas, sendo 57 sem justificativa publicada no portal da Câmara dos Deputados. O mineiro justifica a ausências a reuniões com as quais não tem afinidade, preferindo o “contato com o povo”. “Este é um ano de eleições, e o deputado tem a obrigação de ter contato com o povo. O homem público, neste momento, tem mais compromisso com a eleição do que com a vida parlamentar porque a eleição vai definir o destino do Brasil”, defendeu o peessedebista.

Abonam faltas dos parlamentares justificativas que comprovem problemas de saúde, licenças maternidade e paternidade, acidente, missão oficial no exterior ou no País, além de falecimento de pessoa da família até o segundo grau de parentesco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.