Maia diz que reforma da Previdência depende de “engajamento” de gestores

Presidente da Câmara dos Deputados admitiu que a aprovação da reforma será difícil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), admitiu nesta terça-feira (13/2) que a aprovação da reforma da Previdência é difícil, mas disse que ainda acredita conseguir reunir os votos necessários se houver engajamento de prefeitos e governadores que precisam da mudança nas regras devido às suas crises fiscais.

De acordo com Maia, só com a mudança nas regras previdenciárias cidades e Estados voltarão a ter fôlego para investir, gerar empregos e crescer nos próximos anos. “As mudanças vão ajudar municípios e Estados que estão quebrados a voltar a investir. É importante que eles agreguem votos e a gente precisa que eles ajudem”.

O presidente da Câmara, no entanto, não comentou sobre quantos votos o governo contabiliza para pautar a reforma na Câmara, mas reafirmou que a matéria só será levada a votação se houver certeza de apoio suficientes.

Ele reiterou que o prazo para votar o projeto na Casa é o fim deste mês, e que não há possibilidade de esse limite ser estendido. Na semana passada, ele afirmou que se o texto não for votado agora em fevereiro, deve ficar para o ano que vem, ponderando que uma eventual votação em novembro dependeria do presidente da República eleito.

Maia ainda afirmou que no mês que vem o DEM escolherá seu pré-candidato à Presidência e, descartou a possibilidade de o apresentador de TV Luciano Huck ser esse nome. “Neste momento ele não faz parte mais do nosso projeto do partido”, disse. (As informações são da Agência Reuters)

Deixe um comentário

Como pode um tema tão importante como a reforma da previdência,seja ignorada pelos deputados.Na verdade são todos uns covardes .Por que não estão nem aí pra reforma da previdência.os aposentados e o povão que se dane.É esse o pensamento desses covardes.

Vai ficar para o dia de São Nunca seus corruptos!!!!!

PAULO ROBERTO MARTINS OLIVEIRA SANTOS

A CPI da Previdência foi muito clara: Não temos que aceitar mais esse fardo, e continuar custeando esses Refis criminosos. Benefícios e aposentadorias do Judiciário, Executivo, Legislativo e Militares abusivas. Em outubro muito serão calados, pela voz do povo!