Mãe e padrasto são presos em Goiânia por espancar até a morte criança de 2 anos

Padrasto confessou que também estuprou o garoto. A mãe negou que sabia do crime, mas investigações apuraram que ela tentou acobertar o assassinato do filho

Padrasto e mãe da criança foram presos após investigação da PC | Foto: Divulgação PC/GO

A Polícia Civil de Goiás, por meio da  Delegacia de Investigação de Homicídios (DIH) prendeu na última terça-feira (14/11), casal acusado de matar por espancamento o garoto Bruno Diogo Ferreira, de apenas dois anos, em Goiânia.

Os detalhes das investigações, divulgados nesta segunda-feira (20/11) pela Polícia Civil, dão conta de que o padrasto, Gedeon Santos Alves, de 24 anos, estuprava o menino, filho da companheira Bruna Lucinda Ferreira, de 28 anos, que sabia das agressões e tentou acobertar o namorado.

Laudo cadavérico do menino constatou que ele foi espancado com lesões em quase todas as partes do corpo, como crânio e dentes quebrados. O estupro também foi constatado e laudo aponta que o pâncreas do menino foi partido ao meio por causa da violência sofrida.

No último dia 3 de novembro, dia do homicídio, os dois chegaram a levar o garoto ao hospital, dizendo que ele tinha passado mal em casa, expelindo sangue pelo nariz e uma baba espessa pela boca. A criança já chegou morta à unidade de saúde, mas devido aos inúmero hematomas pelo corpo, os médicos suspeitaram que era vítima de espancamento e acionaram o Conselho Tutelar foi acionado e também a Delegacia de Proteção a Criança e Adolescente (DPCA).

Segundo a polícia, depois de constatada a morte do pequeno Bruno, a mãe e o padrasto mudaram a versão da história. Bruna foi até a Central de Flagrantes de Goiânia e procedeu e comunicou um acidente de moto que seu filho teria sofrido com uma sobrinha dela, dando a entender que a morte de Bruno teria ocorrido por complicações de uma cirurgia que o bebê tinha feito na boca uma semana antes de sua morte e por ter se machucado no acidente.

A equipe da Delegacia de Homicídios, comandada pelo delegado adjunto Dannilo Proto, constatou por meio de investigação, porém, que o relato da mãe foi falso. Foi apurado que na verdade, apenas Bruna sofreu o acidente mencionado e que ela não estava acompanhada do filho.

Depoimentos de testemunhas dão conta de que a criança era vítima frequente de maus tratos tanto pela mãe, quanto pelo padrasto.

Após a prisão o casal acabou confessando os crimes de forma fria, segundo a polícia. Aos agentes, Gedeon teria contado detalhes do espancamento e afirmou que aquela não tinha sido a primeira vez. Já Bruna, mãe da criança, alegou que não sabia que o companheiro havia matado o filho, mas para as equipes de investigação, ela sabia e ajudou a acobertar o crime.

8 respostas para “Mãe e padrasto são presos em Goiânia por espancar até a morte criança de 2 anos”

  1. Avatar Graciane disse:

    Por que ninguém denunciou ?:?? agora relatam maus tratos

  2. Avatar marcos viana fernandes disse:

    O que é deles esta guardado dentro das celas, irão chegar nas cadeias com aquela recepção calorosa.
    Que Deus tenha piedade deles, porque os presidiários não terão.

  3. Avatar edemir marcos disse:

    o que vai acontecer esses dois montros?

  4. Avatar Iracema disse:

    Causa espanto que havia “testemunhas” dos maus tratos frequentes, mas ninguém tomou qualquer providência enquanto ainda era tempo.

  5. Avatar Lucimar disse:

    O que mais me doe é saber que muito mas muito em breve esses monstros estarão livres,e soltos para cometerem mais atrocidades. Se fosse o mês de setembro, eles iriam ter a famosa saidinha para comemorar o “DIA DAS CRIANÇAS”. Só tenho a lamentar.

  6. Avatar Michelle disse:

    Ridícula essa lei ultrapassada ,estou aqui indignada com tanta atrocidade , com 1 inocente de 2 anos ,descansou pequeno Bruno .

  7. Avatar Danielle disse:

    Por que ninguém denunciou esses demônios??? Só Deus sabe o quanto essa criança sofreu ?
    Merecem sofrer o mesmo que fizeram com a criança! Monstros! Queimem no inferno !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.