Mãe de atirador garante que arma estava em local seguro e diz que não houve negligência

Mulher chegou na sede da Depai, no Setor Cidade Jardim, por volta das 14 horas. Oitiva durou cerca de 2h30 e a ela não quis falar com a imprensa

A mãe do adolescente de 14 anos que abriu fogo dentro da sala de aula em uma escola de Goiânia afirmou à polícia na tarde desta segunda-feira (30/10), durante depoimento na Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais (Depai), que o filho não apresentava comportamento estranho e sempre foi muito dócil e responsável.

A policial militar — a quem pertence a arma do crime — estava internada em uma clínica desde o dia do atentado, que deixou dois mortos e quatro adolescentes feridos, mas recebeu alta na última terça (24).

Ela chegou na sede da Depai, no Setor Cidade Jardim, por volta das 14 horas. O depoimento durou cerca de 2h30 e a mulher não quis falar com a imprensa.

Segundo a advogada da família, a policial repetiu o que já havia dito à Justiça, na última semana. Alegou que a arma usada no crime estava guardada em local seguro e de difícil acesso, por isso, garante que não houve negligência.

A advogada ainda contou que a mãe negou durante depoimento que sabia que o filho era vítima de bullying. “Não podemos simplificar essa questão. Uma tragédia dessa não se explica”, falou a profissional em entrevista coletiva.

Sobre a perícia realizada em aparelhos do atirador e que teria revelado comportamento agressivo do menor, a advogada afirmou que o material ainda não é de conhecimento da defesa ou tão pouco consta nos autos e, por isso, não poderia discorrer sobre o tema.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.