De março a junho de 2024, o Museu de Arte Contemporânea de Goiás, no Centro Cultural Oscar Niemeyer será ocupado por uma série de mostras e atividades culturais. O Ocupa MAC será aberto ao público nesta terça-feira, 5, às 21h. A iniciativa é promovida pela Arte Plena Produção com fomento da Lei Paulo Gustavo, operacionalizada pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult), e conta com parceria da Secretaria de Estado da Retomada.

O projeto será dividido em dois módulos principais: Percursos Plurais e Presente e Futuro. Um dos curadores do projeto, Sandro Torres ressalta que, ocupar um museu público demanda responsabilidade de pensar na diversidade e nas múltiplas formas de expressão. “A curadoria olhou para os acervos particulares e públicos, para as questões consonantes e para as formas de expor as narrativas, cuidando da preservação de legados e futuras postulações”, conta.

Também curador da Ocupação MAC, Antonio da Mata explica que o projeto procurou contemplar questões relativas às contemporaneidades, mas com recorte ampliado, privilegiando alguns artistas locais que transcenderam seus legados “como personagens emblemáticos e vanguardistas em seus contextos”.

Durante toda a mostra, os organizadores promoverão ações educativas e visitas guiadas para grupos. O objetivo é conduzir o público e otimizar a experiência da fruição da arte.

Percursos Plurais
O primeiro módulo do projeto será a múltipla mostra Percursos Plurais, com oito montagens simultâneas. Assinam as obras:

Arthur Bispo do Rosário: artista expõe um conjunto expositivo itinerante, em parceria com o Sesc Goiás, traz uma mostra multissensorial com atividades educativas;

Mauricinho Hippie: o performer que desfilou sua espontaneidade pelas ruas de Goiânia há algumas décadas será homenageado com a apresentação de três figurinos inéditos confeccionados especialmente para esse momento pelo designer Theo Alexandre, da marca autoral Thear;

Yashira: artista que vive no interior de Goiás e ainda produz suas obras como manifestos à natureza e pela paz no mundo;

Gilva Cabral: um dos principais escultores em atividade, com currículo internacional;

Iza Costa: exposição póstuma, com obras do acervo particular da artista, que resguarda toda força e autenticidade que caracterizava sua produção;

Grupo de Mulheres Gravadoras: destaca as prodigiosas e talentosas artistas dessa linguagem, de Goiás e do Brasil;

Anna Carolina Cruz e Ana Rita Rodrigues: arquiteta e publicitária, com uma poética montagem intitulada “um novo olhar”, uma reflexão sobre a cidade;

Grupo independente de fotógrafos do projeto Deriva do Bem, organizados pelo arquiteto e professor Bráulio Vinícius, com um poético conjunto de fotos, resultado de suas viagens por Goiás.

Leia mais: Está sem saber o que fazer nas férias? Confira dicas de museus para visitar em Goiânia