O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) solicitou que a Polícia Federal (PF) investigue um possível crime de falsidade ideológica na falsa filiação do presidente Lula (PT) ao PL, legenda de Jair Bolsonaro.

De acordo com informações do jornal Estadão, o sistema da Corte registrou, até está quinta-feira, 11, o nome do presidente filiado ao PL.

Conforme o Tribunal, o registro falso ocorreu em 15 de julho de 2023, no PL em São Bernardo do Campo, cidade onde Lula começou na política. Investigação interna do TSE aponta que a inclusão do nome de Lula nos quadros do PL foi feita usando login e senha da advogada Ana Daniela Leite e Aguiar, que atua na assessoria jurídica do PL em Brasília

O ministro Alexandre de Moraes, presidente do TSE, determinou que o caso seja investigado. “Considerando a existência de indícios de crime a partir da inserção de dados falsos em sistema eleitoral, encaminhem-se cópia dos presentes autos ao diretor-geral da Polícia Federal para adoção de todas as providências cabíveis que deverão, oportunamente, ser informadas a este Tribunal Superior Eleitoral”, diz a decisão.

O TSE afirmou, em nota, que “há claros indícios de falsidade ideológica, tendo sido anulada a alteração e requisitada à Polícia Federal a instauração de inquérito policial”.

Leia também:

Registro de armas no Brasil cai 79% em 2023 após primeiro ano do 3º mandato de Lula

Governo Lula reajuste salário para PF e PRF; veja como fica e quando pagamentos começam