Lúcio Flávio rebate críticas da Asmego e diz que juiz tem que cumprir horários e lei

Em resposta à declaração do presidente da Associação dos Magistrados do Estado de Goiás, presidente da OAB-GO disse que ” Brasil parece ser país da inversão de valores”

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás (OAB-GO), Lúcio Flávio Siqueira de Paiva, rebateu as críticas da Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego) sobre declarações feitas por ele sobre juízes da comarca de Goiatuba.

Primeiro, o site da OAB-GO publicou matéria na qual afirma que três juízes da comarca de Goiatuba não moram na cidade e fazem despachos “apenas duas vezes por semana”. Segundo a Asmego, Lúcio Flávio “demonstra descompromisso com a verdade” e divulga “factoides inverídicos”.

Em nota pública divulgada também no site da OAB-GO, Lúcio Flávio disse que “juiz é servidor público, tem que cumprir horário, tem que cumprir a lei”.

“Tal assertiva causou espécie no presidente da Associação dos Magistrados do Estado de Goiás, o juiz Wilton Müller Salomão, por quem tenho todo apreço, que reagiu em nota com desproporcional violência na defesa dos seus associados. Salomão não negou que os juízes locais frequentem a comarca em apenas dois dias da semana; ao contrário, defendeu tal prática como se fosse ela justa e a regra, não a exceção”, rebateu.

Além da nota pública, Lúcio Flávio publicou em seu Facebook uma declaração sobre o assunto, dizendo que “o Brasil parece ser, realmente, o país da inversão de valores… Por aqui o certo vira errado e o errado vira certo”.

“Continuarei a percorrer o Estado de Goiás ouvindo a advocacia e trabalhando pela solução dos graves problemas enfrentados com relação à prestação jurisdicional. Minha função é vocalizar os anseios da advocacia goiana; dar voz àqueles que muitas vezes não são ouvidos”, disse o presidente.

Leia a publicação na íntegra:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.