Líderes islâmicos repudiam publicação de nova charge de Maomé

Ministro do Exterior do Irã afirmou que “valores e crenças precisam ser respeitadas para que haja um diálogo sério com o Ocidente”

A decisão do jornal satírico francês Charlie Hebdo de publicar uma nova charge de Maomé na capa da edição histórica que foi às bancas nesta quarta-feira (14/1) gerou reações de líderes islâmicos em todo o mundo. O secretário-geral da Organização para a Cooperação Islâmica (OIC), Iyad Amin Madani, qualificou a atitude do jornal de “insolente, ignorante e irresponsável”.

Madani lembrou que o mundo islâmico não só condenou os ataques terroristas ocorridos na última semana na França, como participou, por meio de cidadãos e líderes, da marcha que reuniu 1,5 milhão de pessoas no último domingo (11/1), em Paris.

“Mas, ao mesmo tempo nós vemos que, no dia seguinte, o jornal voltou a publicar desenhos de Maomé. Isso é uma insolência, uma ignorância e uma irresponsabilidade. Pessoas marcharam pela sua liberdade de expressão, mas essa liberdade não pode atingir a crença de outras pessoas”, enfatizou Madani.

O ministro do Exterior do Irã, Mohammad Javad Zarif, disse que “valores e crenças precisam ser respeitadas para que haja um diálogo sério com o Ocidente”. Zarif fez a declaração em entrevista concedida antes de iniciar reunião com o chefe da diplomacia norte-americana, John Kerry, sobre a redução da capacidade nuclear do país,

O grupo Hamas, movimento islâmico fundamentalista, também se manifestou. Em Gaza, o porta-voz do Hamas, Fawzi Barhoum, condenou a charge do profeta Maomé. “Esta é uma ação perigosa. É claramente um ataque aos muçulmanos, é uma motivação para o ódio e a consolidação do ódio contra os muçulmanos no mundo e na França. Todas essas campanhas contra o islamismo, contra o profeta Maomé e contra os muçulmanos no Ocidente precisam parar”.

A capa da edição histórica do Charlie Hebdo – a primeira depois que a redação do jornal foi atacada por terroristas, que mataram 12 pessoas na última quarta-feira (7/1) – traz uma charge do profeta Maomé com lágrimas nos olhos, segurando uma placa onde se lê “Je suis Charlie“, que quer dizer “Eu sou Charlie”, a mesma frase usada por milhões de manifestantes que marcharam pelas ruas da França no domingo. No topo, o título: Tudo está perdoado.

A edição do Charlie Hebdo tinha tiragem prevista de 3 milhões de exemplares, mas, com a grande demanda registrada nesta manhã, foi ampliada para 5 milhões, número mais de 80 vezes maior do que a circulação normal, de 60 mil.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.