Líder nas pesquisas, Lula fica de escanteio na busca por palanque presidencial em Goiás

Candidatos ao Governo de Goiás tentam caminhar com Jair Bolsonaro, que está em segundo lugar nas avaliações de intenções de votos

Apesar de estar ocupando constantemente a segunda posição nas pesquisas eleitorais, o presidente Jair Bolsonaro (PL) tem surfado na onda de ser o preferido de pretensos candidatos ao Palácio das Esmeraldas, nas eleições deste ano. Diretamente, o apoio do chefe do Executivo é disputado pelo prefeito Gustavo Mendanha (sem partido), que tem feito uma ‘peregrinação’ quase diária à Brasília, em busca de partido e de aproximação com o presidente, e o deputado federal Major Vitor Hugo, recém filiado ao PL, e pré-candidato ao governo de Goiás, com a ‘benção’ de Bolsonaro. 

Por outro lado, o líder das intenções de votos, segundo institutos de pesquisas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não tem tido a mesma procura por pré-candidatos goianos à majoritária. O cientista político Pedro Mundim destaca que é natural que políticos busquem quem tem voto, mas que tenha também confluência ideológica. “O movimento dos principais candidatos é esse: ‘vou concorrer para governador, eu quero ver se consigo fazer algum tipo de estratégia casada, entre voto para presidente e voto para governador’”, salienta. 

Nesse sentido, se buscam aqueles que têm penetração entre o eleitorado do Estado, o que explicaria o desprezo por pré-candidatos como Ciro Gomes (PDT) e o ex-juiz Sérgio Moro (Podemos), que possuem poucos pontos de intenções de votos. Isso, então, estaria desmotivando pré-candidatos a buscarem o apoio desses nomes, sob o receio de não conseguirem ampliar a quantidade de eleitores. Ao encontrar potenciais nomes, o próximo critério é a identificação ideológica. Esse, inclusive, é o cado do deputado federal Major Vitor Hugo, “que é da base do Bolsonaro, líder do governo”, restando-lhe buscar apoio do presidente. “Não adianta ele buscar em outro lugar, porque ele não vai ter”, destaca o cientista político.

A estratégia esperada, desse modo, é de que o deputado tente impulsionar a campanha optando pela dobradinha: Vitor Hugo e Bolsonaro ou vice-versa. “Apesar que acho, no caso de Goiás, o Bolsonaro vai dar muito mais votos para o Vitor Hugo, do que Vitor Hugo ao Bolsonaro. É capaz do Vitor Hugo tirar voto do Bolsonaro”, analisa Pedro Mundim. Para ele, nesse cenário, o prefeito Gustavo tem se perdido politicamente. “Não faz sentido, Bolsonaro apoiar outro nome aqui em Goiás, que não seja o Vitor Hugo”, frisa o especialista, acrescentando que Mendanha não conseguirá um apoio da esquerda, devido não ter buscado essa alternativa. 

Uma resposta para “Líder nas pesquisas, Lula fica de escanteio na busca por palanque presidencial em Goiás”

  1. Avatar Gunther Heinz disse:

    Pois é. Quanto mais o Bolsonaro perde, ele ganha. Que coisa errada!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.