Lewandowski para senadores: “Os senhores são juízes e não acusadores”

Presidente do Supremo afirmou que prioridade no interrogatório é questionar Dilma sobre pontos relativos ao processo para que ela possa se defender

Plenário do Senado durante sessão deliberativa extraordinária para votar a Denúncia 1/2016, que trata do julgamento do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff por suposto crime de responsabilidade. Em pronunciamento, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Lewandowski respondeu à Aloysio Nunes, que queria que os senadores pudessem falar ao serem citados | Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que preside o julgamento do impeachment no Senado Federal, advertiu os senadores nessa segunda-feira (29/8) para que eles se atenham a fazer perguntas à presidente afastada Dilma Rousseff (PT). Em resposta ao senador Aloysio Nunes, ele disse que a prioridade é que ela se defenda e declarou: “Os senadores são juízes, não são acusadores”.

Na ocasião, Aloysio queria saber se os senadores teriam direito a falar quando citados no discurso. “Ficou estabelecido em comum acordo que cada senador terá até cinco minutos para perguntar. Mas não há previsão sobre o direito de resposta se alguém for nominalmente citado ou em caso de eventual agressão verbal”, pontuou ele.

Lewandowski argumentou, no entanto, que um interrogatório não é, como relacionou o senador, uma sessão ordinária e que, portanto, o que prevalece não é o regimento interno da casa, mas sim os procedimentos de um julgamento normal. Nesta fase do processo, prevalece a manifestação da acusada, que tem tempo indefinido para responder aos questionamentos dos senadores.

“Neste momento, ela está defendendo seu mandato, sua honra pessoal e biografia. É natural que nós demos a ela uma amplitude maior de expressão”, lembrou ele. As manifestações dos senadores ao serem citados só deverão ser autorizados em caso de injúria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.