Lei Eusébio de Queirós, que proibia tráfico de escravos, completa 168 anos

Medida atendia a uma reivindicação da Inglaterra que pressionava o Brasil para que acabasse com este tipo de comércio; entenda como surgiu a expressão popular “para inglês ver”

Ministro da Justiça, Eusébio de Queirós, propôs o projeto de lei com medidas mais rigorosas contra o comércio de pessoas pelo Atlântico | Imagem: Reprodução

A Lei Eusébio de Queirós foi aprovada em 4 de setembro de 1850, e proibia o tráfico atlântico de escravos vindos do continente africano para o Brasil.

A medida atendia a uma reivindicação da Inglaterra que pressionava o Brasil para que acabasse com o comércio de escravos. Pois com este tipo de mão de obra, os produtos brasileiros, como o açúcar e o café, eram mais baratos que os comercializados por eles.

Mesmo com a pressão inglesa que negociava uma solução com Dom Pedro segundo, o Estado imperial brasileiro aceitava o tráfico de escravos no Atlântico.

Mas a continuidade daquela estrutura foi ficando insustentável e, além disso, a manutenção do tráfico colocava o Brasil no lugar das nações consideradas “não civilizadas”.

Antes, entre 1810 e 1826, uma série de tratados foi firmada com o governo britânico, muito a contragosto de portugueses e brasileiros. Em 1831, uma lei previa punição aos traficantes de escravos e liberdade a todos que entrassem no país a partir de então, porém as medidas não eram colocadas em prática.

Diante disso, o Ministro da Justiça, Eusébio de Queirós, propôs o projeto de lei com medidas mais rigorosas contra o comércio de pessoas pelo Atlântico.

Eusébio de Queirós nasceu em Angola, no continente africano e era um dos quadros do Partido Conservador. Para os conservadores a decisão acabar com o tráfico atlântico deveria partir da nação brasileira, para que assim a imagem da soberania nacional fosse preservada.

A partir desta medida as verbas excedentes passaram a ser utilizadas em infra-estrutura. Assim foram construídas as primeiras linhas telegráficas e de navegação e as primeiras estradas de ferro, a iluminação a gás chegou às cidades, e o número de escolas começou a crescer.

Mas, com o fim do comércio de escravos no Atlântico, houve um aumento do tráfico interno, concentrado nas regiões do Rio de Janeiro e São Paulo, onde estavam as maiores lavouras de café.

A expressão popular, “lei para inglês ver” surgiu com estas leis brasileiras que proibiam o tráfico de escravos para o Brasil e que foram criadas para atender as exigências dos ingleses, porém com pouco efeito prático em seus primeiros anos de aplicação.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.