Lava Jato denuncia Lula por corrupção e lavagem de dinheiro

Nova ação diz respeito a contratos firmados entre a  Petrobras e a Construtora Norberto Odebrecht S/A. Marcelo Odebrecht e Antonio Palocci também foram denunciados

Em nova denúncia oferecida nesta quarta-feira (14/12) pela força-tarefa da Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é acusado de praticar os crimes de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro, desta vez em razão de contratos firmados entre a Petrobras e a Construtora Norberto Odebrecht S/A.

Conforme ação, Lula é apontado como o responsável por comandar uma sofisticada estrutura ilícita para captação de apoio parlamentar, assentada na distribuição de cargos públicos na Administração Pública Federal. A denúncia aponta que esse esquema ocorreu nas mais importantes diretorias da Petrobras, mediante a nomeação de Paulo Roberto Costa e Renato Duque para as diretorias de Abastecimento e Serviços da estatal.

Por meio do esquema, estes diretores geravam recursos que eram repassados para enriquecimento ilícito do ex-presidente, de agentes políticos e das próprias agremiações que participavam do loteamento dos cargos públicos, bem como para campanhas eleitorais movidas por dinheiro criminoso.

Também foram denunciados o empresário Marcelo Odebrecht, acusado da prática dos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro; Antonio Palocci e Branislav Kontic, denunciados pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro; e Paulo Melo, Demerval Gusmão, Glaucos da Costamarques, Roberto Teixeira e Marisa Letícia Lula da Silva, acusados da prática do crime de lavagem de dinheiro.

Nesta denúncia, a propina, equivalente a porcentuais de 2% a 3% dos oito contratos celebrados entre a Petrobras e a Construtora Norberto Odebrecht S/A, totaliza mais de R$ 75 milhões, aponta a Lava Jato. O valor teria sido repassado a partidos e políticos que davam sustentação ao governo Lula especialmente o PT, PP e o PMDB, além de agentes públicos da Petrobras envolvidos no esquema e aos responsáveis pela distribuição das lavagens ilícitas.

Ainda conforme a denúncia, parte do valor das propinas pagas pela Construtora Norberto Odebrecht S/A foi lavada mediante a aquisição, em benefício do ex-presidente, de um imóvel em São Paulo, que seria usado para a instalação do Instituto Lula. O acerto do pagamento da propina destinada ao ex-presidente teria sido intermediado pelo então deputado federal Antonio Palocci, com o auxílio de seu assessor parlamentar Branislav Kontic, que mantinham contato direto com Marcelo Odebrecht.

A compra desse imóvel foi realizada em nome da DAG Construtora Ltda., mas com recursos, segundo a ação, comprovadamente originados da Construtora Norberto Odebrecht, em transação que também contou com a interposição de Glaucos da Costamarques, parente de José Carlos Costa Marques Bumlai, sob a orientação de Roberto Teixeira, que atuou como operador da lavagem de dinheiro. O valor total de vantagens ilícitas empregadas na compra e manutenção do imóvel, até setembro de 2012, teria chegado a quase R$ 12,5 milhões.

A denúncia foi elaborada com base em depoimentos, documentos apreendidos, dados bancários e fiscais bem como outras informações colhidas ao longo da investigação, todas disponíveis nos anexos juntados aos autos. (Do Ministério Público Federal)

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Dennis Miranda

luladrao vai pro xadrez que e seu lugar , roubou de todos os brasileiros agora pague pelo seu roubo vacilao