Kitão sugere que sobras do duodécimo da Câmara sejam destinadas a emendas impositivas

Vereador lembra que o prefeito Iris incorre em improbidade administrativa ao não realizar o pagamento das emendas

Foto: Fábio Costa| Jornal Opção

O vereador Lucas Kitão (PSL) falou ao Jornal Opção sobre a iniciativa do vereador Carlin Café (PPS) de propor a destinação das sobras do duodécimo da Câmara Municipal de Goiânia para a área da Saúde. “Não é o primeiro vereador que propõe a vinculação desses recursos, mas juridicamente isso não é viável até por se tratar de outro poder”, disse.

Para Kitão, os recursos seriam bem investidos se os vereadores tivessem o controle da utilização do recurso, não apenas devolvendo-o à Prefeitura. “Até porque não é assim que a questão da saúde seria resolvida”. O vereador pontuou que a Prefeitura de Goiânia tem devolvido milhões ao Governo Federal, e que enfrenta dificuldades em prestar contas sobre os valores destinados à área.  

“Verbas de motolâncias, ambulâncias e Cras [Centro de Referência de Assistência Social] foram perdidas por falta da prestação de contas. Não falta dinheiro, mas sim gestão. Mas a Casa pode sim investir na cidade, desde que seja um consenso entre os vereadores, e em obras específicas”, defendeu Kitão.

O parlamentar, no entanto, sugere que as sobras dos duodécimos sejam utilizadas para o pagamento das emendas impositivas, “que o prefeito Iris não tem cumprido, incorrendo inclusive em improbidade administrativa”, disse. “Existe previsão orçamentaria, está previsto em lei orgânica e é um direito dos parlamentares, trazendo benefício direto às comunidades que cada parlamentar representa”.  

Em relação à possibilidade de criação de um fundo, proposta pelo presidente da Casa Romário Policarpo (Pros), Lucas diz não ver problemas na ideia. “Até porque dá autonomia para o poder Legislativo e é juridicamente é viável. O presidente teria a oportunidade de investir mais na Casa, dando mais ferramentas para os vereadores trabalharem e atenderem a população”, disse.

“Temos que usar a estrutura da Casa não só para votar projetos e propor leis, mas também para prestar um serviço efetivo de fiscalização e de contribuição diária para a cidade”, concluiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.