Kátia Abreu sobre expulsão do PMDB: “Estou no horário de trabalho, só posso falar de agricultura”

Ministra preferiu não responder aos questionamentos sobre possível saída do partido após rompimento com base aliada da presidente Dilma Roussef

| Foto: Foto: Alessandro Dantas/ PT no Senado

Comissão de ética do PMDB analisa expulsão da ministra | Foto: Foto: Alessandro Dantas/ PT no Senado

A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, preferiu não comentar a possibilidade de expulsão do PMDB. “Estou no horário de trabalho, só posso falar de agricultura hoje”, disse a ministra, perguntada sobre o rompimento do PMDB com o governo, após uma coletiva para anúncio da destinação de recursos do Fundo da Amazônia para a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

O PMDB rompeu com o governo no dia 29 de março e determinou a entrega de todos os cargos que ocupa no governo federal. A Comissão de Ética do partido analisa pedidos de expulsão de Kátia Abreu e do ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera. Os dois sinalizaram a intenção de permanecer no governo. Até o momento, só Henrique Eduardo Alves, ex-ministro do Turismo, pediu demissão.

Sobre o anúncio da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) de que apoia o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, Kátia Abreu disse que “nos momentos de balanço dos navios, as ideias também balançam”. Ela acrescentou que “o importante não é sempre estarmos juntos na hora do plantio, o mais importante é estarmos juntos na hora da colheita”. Kátia Abreu é senadora e presidente licenciada da CNA.

Deixe um comentário