Justiça recebe denúncia do MP contra mulher que tentou matar o filho com veneno de rato

Mulher fez a criança beber quatro comprimidos de Rivotril e chegou a comprar veneno de rato para matá-la

A 4ª Vara Criminal de Crimes Dolosos contra a Vida e Tribunal do Júri da capital recebeu a denúncia do Ministério Público de Goiás (MP-GO), oferecida pela 85ª Promotoria de Justiça de Goiânia, contra uma mulher que tentou envenenar o filho. De acordo com o relatado pelo promotor de Justiça Geibson Cândido Martins Rezende, no dia 17 de agosto de 2019, a mulher ministrou quatro comprimidos de Rivotril (clonazepan) ao filho, que, à época, tinha pouco mais de 1 ano.

O promotor de Justiça explicou que o crime de homicídio só não foi consumado porque uma conhecida da mulher percebeu seu comportamento estranho e a situação de perigo da criança e acionou o socorro. De acordo com a apuração realizada pela Polícia Civil, no dia do crime ela bebeu vários medicamentos antidepressivos e intoxicou o filho. Insatisfeita com o resultado, a mulher seguiu até um supermercado nas imediações de sua residência e comprou veneno de rato, conhecido por chumbinho, para dar à criança e, depois, beber também.

Uma conhecida da mulher, ao vê-la visivelmente apática, com o filho no colo apresentando sonolência, foi conversar com ela. Ao ouvir da denunciada que o objetivo era matar a criança, a conhecida acionou o Corpo de Bombeiros, que a levou para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Buriti Sereno, onde foi submetida à lavagem gástrica devido ao quadro de intoxicação.

Geibson Cândido Martins Rezende afirmou que a tentativa de homicídio foi praticada mediante intoxicação por medicamento, antes da tentativa de emprego de veneno, o que não ocorreu por interferência de terceira pessoa. A mulher, conforme o MP, praticou a conduta descrita no artigo 121, parágrafo 2º, inciso II, e parágrafo 4º, última parte, combinado com artigo 14, inciso II, do Código Penal.

Ao receber a denúncia, o juiz Jesseir Coelho de Alcântara, em substituição na 4ª Vara Criminal de Crimes Dolosos contra a Vida e Tribunal do Júri, afirmou que a denúncia preenche os requisitos estabelecidos pelo Artigo 41 do Código de Processo Penal. O magistrado determinou a citação da mulher para responder à ação em dez dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.