Justiça determina prisão preventiva de PM acusado de agredir advogado em Goiânia

Ao receber denúncia, juíza da Auditoria Militar determinou, ainda, afastamento de quatro policiais envolvidos na agressão

Advogado foi agredido por PMs em julho. | Foto: reprodução

A Justiça Militar determinou prisão preventiva do Tenente Gilberto Borges da Costa, acusado de agredir um advogado em julho deste ano. Além de decretar a privação de liberdade do policial militar, a juíza determinou afastamento de mais quatro PMs envolvidos no caso e recolhimento de suas armas.

O fato ocorreu em 21 de julho deste ano, em frente ao Centro Comercial Praça da Bíblia, no setor Leste Universitário. Os cinco policiais foram filmados ao agredir o advogado Orcélio Ferreira Silvério Júnior.

Além da prisão do Tenente Borges, o cabo Robert Wagner Gonçalves de Menezes e os soldados Idelfonso Malvino Filho, Diogenys Debran Siqueira e Wisley Liberal Campos afastados de suas funções.

Para justificar a prisão, a juíza disse que “a ordem pública encontra-se ameaçada, uma vez que o delito imputado aos denunciados foi cometido, em tese, contra um advogado”, argumentou na decisão. Além disso, apontou a gravidade concreta do crime, a necessidade de garantia da conveniência da instrução criminal e a periculosidade dos indiciados.

Procurada pela reportagem, a PM ainda não se manifestou sobre a decisão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.