Justiça determina indisponibilidade de bens de prefeito de Rubiataba

Além de Jakes de Paula, outras três pessoas, incluindo a secretária de educação, Maria Glória Silva, também são suspeitas de improbidade administrativa

Ministério público encontrou irregularidades em contrato firmado com empresa de transporte | Foto: Prefeitura de Rubiataba

Ministério público encontrou irregularidades em contrato firmado entre a administração de Jakes de Paula e empresa de transporte | Foto: Prefeitura de Rubiataba

A Justiça decretou, nesta segunda-feira (3), a indisponibilidade dos bens do prefeito de Rubiataba, Jakes Rodrigues de Paula (PMDB), e de outras três pessoas, por suspeita de improibidade administrativa. Além de Jakes, também estão incluídos na decisão a secretária de educação, Maria Glória Silva, e dois empresários locais.

A razão do decreto é um contrato firmado entre a Prefeitura e uma empresa do ramo de transporte para deslocamento de estudantes da cidade. Além de a firma ter sido contratada sem licitação, o Ministério Público estadual (MPGO) denunciou ainda que, após a contratação do serviço, a administração passou a cobrar dos pais dos alunos uma taxa mensal de R$ 90, o que não constava no contrato firmado.

Segundo a decisão da juíza Roberta Wolpp, esta cobrança indica que a os envolvidos lucraram indevidamente com o contrato e que o caso poderá ser considerado como improibidade administrativa, por lesar os cofres públicos. Outro ponto que chamou a atenção do MPGO é que a empresa foi criada e obteve alvará de funcionamento no mesmo dia em que apresentou a proposta à Secretaria Municipal de Educação.

Uma resposta para “Justiça determina indisponibilidade de bens de prefeito de Rubiataba”

  1. Avatar Lucas da silva disse:

    se ferrou e os burracos na ruas daqui ! a falta de segurança o banco ja foi assaltado 2 vezes semana passada !

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.