Justiça determina bloqueio de bens do Prefeito do Rio de Janeiro

Eduardo Paes foi alvo de ação referente à construção do Campo de Golpe Olímpico da Barra da Tijuca, no qual livrou empresa de pagamento de taxa

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), teve seus bens declarados indisponíveis na última quarta-feira (7/12) pela Justiça em ação de improbidade administrativa. A medida se refere à construção do Campo de Golfe Olímpico da Barra da Tijuca, no qual ele teria livrado a empresa Fiori Empreendimentos Imobiliários, responsável pela obra, de uma taxa de R$ 1,8 milhão de licença ambiental. Paes e a empresa serão investigados no caso.

A conta não cobrada da empresa teve que ser quitada pela prefeitura e causou um prejuízo de R$ 2,3 milhões aos cofres públicos. Com a decisão, R$ 181.880,58 de Paes serão bloqueados. Os bens da Fiori também entraram na ação e serão leiloados para pagar o rombo.

Segundo o Ministério Público do Rio, o bloqueio dos bens visa garantir o ressarcimento dos bens, principalmente porque o prefeito pretende ir viver nos Estados Unidos após o término de seu mandato, o que dificultaria a reparação.

Paes, no entanto, afirmou que vai estudar e trabalhar no exterior por tempo determinado e que sua mudança não é uma forma de fugir de “eventuais responsabilidades”. Ele afirmou ainda já ter cobrado a tava da construtora há um ano e disse que vai recorrer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.