Na decisão, juiz frisa gravidade do crime para caracterizar os suspeitos como de alta periculosidade

O juiz José Augusto de Melo Silva converteu para preventiva a prisão em flagrante do casal preso após confessar ter matado uma criança de dois anos por espancamento. Luana Alves de Oliveira, de 21 anos, é mãe da criança, e Wesley Messias de Souza, de 23, padrasto.

[relacionadas artigos=”118726″]

Na decisão, o juiz frisa que o crime, em tese cometido pelos autuados, é revestido de extrema gravidade, notadamente por ter sido cometido dentro de ambiente doméstico, e a vítima ser criança; demonstrando a pericuolosidade dos suspeitos.

Na última segunda-feira (5/3), a Polícia Civil de Goiás, por meio da Delegacia Distrital de Polícia (DDP) de Santo Antônio do descoberto, autuou os dois por homicídio qualificado por motivo torpe. Os dois confessaram agressões a Henzo Gabriel da Silva Oliveira, de apenas dois anos, no último domingo (4/3).

De acordo com informações da própria PC, Luana se irritou com o choro da criança, agredindo-a com socos e pisões juntamente com Wesley. Após o pai de Wesley notar que a criança não se mexia, a mãe foi com ela até o hospital, mas já deu entrada sem vida. O médico, diante dos sinais de violência, comunicou a Polícia Militar.

Levados à delegacia, a mãe e o padrasto confessaram o crime e foram levados à Unidade Prisional de Santo Antônio do Descoberto.