Justiça cassa mandato de presidente da Câmara de Palmeiras de Goiás

Além de pagar multa, a vereadora ficará inelegível por oito anos

A presidente da Câmara de Vereadores da cidade de Palmeiras de Goiás tive seu diploma e registro cassado pela Justiça Eleitoral. A medida atende ao pedido do Ministério Público Eleitoral, que denunciou a vereador Taís Cardoso Lopes. A acusação é de compra de votos. Ela foi eleita no pleito de 2020.

O Ministério Público Eleitoral representou contra a vereadora, por ter cooptado, mediante promessa de vantagem financeira, votos de eleitores. O promotor eleitoral, Eduardo Silva Prego, foi quem apresentou a denúncia a justiça eleitoral. De acordo com a representação, a vereadora, enquanto candidata, “no afã de obter vantagem no pleito frente a outros concorrentes, buscou obtê-la corrompendo eleitores a partir da concessão de dádivas financeiras”.

Segundo o promotor eleitoral, agindo desta forma, Taís descumpriu as regras e a lisura do processo eleitoral, provocando a necessidade de reconhecimento da situação e a condenação.

Além da cassação, a vereadora foi condenada também ao pagamento de multa de R$ 15 mil.

Ao proferir a sentença, o juiz eleitoral José Cássio de Sousa Freitas confirmou a procedência da representação e afirmou que a sua consequência imediata é a cassação do registro e do diploma, bem como a imposição da pena pecuniária. Além disso, ele declarou a inelegibilidade pelo prazo de oito anos.

Uma resposta para “Justiça cassa mandato de presidente da Câmara de Palmeiras de Goiás”

  1. Avatar Indefinido disse:

    Notícia errada. Apenas a Taís é vereadora. Os outros citados perderam a eleição.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.