Justiça bloqueia R$ 227 milhões de envolvidos na Operação Aquarela

Caso ganhou repercussão por ter levado à renúncia do então senador Joaquim Roriz; operação desvendou esquema de recursos que envolviam o BRB

A Justiça ordenou, na última quinta-feira (3/11), o bloqueio de R$ 227 milhões do ex-presidente do Banco de Brasília (BRB) Tarcísio Franklin de Moura e do ex-diretor da Associação Nacional de Bancos (Asbace) Juarez Lopes Cançado. Os dois estão envolvidos na Operação Aquarela, deflagrada pelo Ministério Público do Distrito Federal e a Polícia Civil em 2007.

A decisão foi da juíza Magnolia da Gama e Souza, da 11ª Vara da Justiça Federal do DF, atendendo a um pedido da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. Até o momento foram encontrados R# 23 milhões em depósitos em contas bancárias.

A Operação Aquarela desvendou, à época, um esquema de desvios de recursos de contratos sem licitação feitos pelo BRB. Os recursos eram repassados para a ATP – Tecnologia S/A. Quando a operação foi deflagrada, 19 pessoas tiveram a prisão decretada.

O caso ganhou bastante repercussão porque levou à renúncia de Joaquim Roriz. O ex-governador do DF era senador pelo PMDB e acabou renunciando ao mandato para fugir da cassação. Em conversas gravadas pela polícia, Roriz foi flagrado discutindo a partilha de um cheque de R$ 2, 2 milhões com Tarcísio Moura. Mesmo assim, os direitos políticos do ex-governador estão suspensos.

Deixe um comentário