Justiça autoriza o cultivo de maconha medicinal para tratamento de Alzheimer

Aposentado Ivo Suzin, de 58 anos, poderá fazer uso de óleo extraído da planta

Foto: Maj. Will Cox/ Georgia Army National Guard

O empresário goiano Filipe Barzan Suzin criou uma conta no Instagram para relatar a melhora do Alzheimer que atinge o pai, Ivo Suzin, através de óleo extraído da maconha. A história do aposentado de 58 anos repercutiu nas redes sociais, chegando a cerca de 167 mil compartilhamentos. Nesta terça-feira, 14, Filipe publicou um vídeo em que comemora o direito de cultivar a planta em sua casa.

“Quando tempo de luta, aflição, medo de perder nossas plantas e perder tudo que se foi construído esse ano, perder a qualidade de vida” escreveu na legenda.

De acordo com o advogado que atuou no caso, Jamil Issy Neto, o instrumento para a conquista foi um habeas corpus preventivo. “Na decisão há permissão de cultivo, porte e uso de cannabis, semente e derivados, bem como a importação de sementes de cannabis em quantidade suficiente para o tratamento na residência dos pacientes” afirmou Neto.

O advogado ressaltou que a decisão judicial veio acompanhada afirmativa: “Não há espaço neste habeas corpus para se discutir a eficácia do tratamento a que os pacientes recorrem. O que importa é que o fazem com acompanhamento médico como tentativa de controlar os sintomas das doenças que os afligem. Reconheço neste momento que as condutas descritas na inicial estão alcançadas pela inexigibilidade de conduta diversa, a retirar a culpabilidade e, por consequência, a punibilidade das condutas”.

Ivo Suzin já fazia uso da planta com acompanhamento médico e apresentou bons resultados no decorrer do tratamento.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.