Empresário afirmou que o decano peemedebista está cada vez mais isolado em “seus sonhos de grandeza e megalomania” 

Na foto Junior FriboiCrédito: Fernando Leite

Em nota enviada a imprensa neste sábado (11/10), Junior Friboi (PMDB) rebateu as declarações do candidato ao governo de Goiás, Iris Rezende (PMDB), em relação ao seu apoio à reeleição do governador Marconi Perillo (PSDB).

Repudio com veemência as mentiras que Iris Rezende Machado, candidato do PMDB, cada vez mais desnorteado e inconsequente, assacou contra mim a pretexto de responder nota que eu, me dirigindo aos companheiros peemedebistas, anunciei que não deixaria o partindo assumindo o compromisso de, num amplo diálogo, reestruturá-lo modernizando-o para os novos temos que virão.

Todos os que me conhecem mais de perto, como de resto a população do Estado de Goiá, sabem que jamais condicionaria meu apoio ao governador em troca de acerto ou solução para pendencias fiscais da empresa de minha família. Nunca conversei com Marconi Perillo sobre este assunto, mesmo porque, pessoalmente nada devo ao fisco e tampouco condicionei minha manifestação a qualquer coisa. O que afirmei na minha nota, foi que o projeto de Marconi Perillo, no momento, é o melhor para Goiás.

O comportamento destrambelhado do Iris talvez possa se explicar no primeiro turno destas eleições, após ter sido abandonado pela maioria dos prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e lideranças da legenda, inconformados com a prática do PMDB goiano. Deve se levar em conta ainda que o desespero de Iris também é motivado pelo seu fracasso em tentar reunir as oposições em prol de seu projeto pessoal por todos que militam na política conhecem métodos traiçoeiros e egocêntricos.

Mas nem isso tudo pode justificar que ele use meu nome e venha assacar contra minha honra e assim já solicitei meu advogado que promova interpelação judicial do senhor Iris Rezende, como medida preparatória para as devidas ações no campo criminal e cível.

Por fim quero me manifestar a respeito da afirmação do candidato peemedebista de que seria eu pessoa irrelevante. Se assim fosse eu não teria sido acompanhado por deputados, prefeitos e tantas lideranças em minha decisão em deixar a campanha. Como se nesse episódio e em tantos outros, no primeiro turno e nesta fase de campanha, Iris insiste em brigar com os fatos que lhe são adversos e continua se apegando, cada vez mais isolado, em seus sonhos de grandeza e megalomania.