Juiz nega apreciar pedido por não ser tratado como “Excelência”. Veja decisão

Magistrado enfatizou que o pronome de tratamento de um juiz é “Excelência” e não “Senhoria”, como utilizado

O juiz José Roberto Bernardi, de Araraquara, São Paulo, deixou de apreciar um pedido devido ao pronome de tratamento empregado no documento direcionado ao magistrado.

Na decisão, Bernardi enfatizou que o pronome de tratamento de um juiz é “Excelência” e não “Senhoria”, como utilizado. A foto do despacho circula nas redes sociais. Veja:

Foto: Reprodução

Esta discussão veio à tona este ano quando um decreto protocolado pelo Governo. O documento, que possui embasamento Constitucional, regulamenta as diferentes formas de tratamento. O Decreto trata ainda sobre as formas de comunicação, inclusive, com o presidente da República

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.