Juiz da “cura gay” comenta polêmica e nega tratar homossexualidade como doença

Em nota, Waldemar Cláudio de Carvalho disse também que não irá conceder entrevistas sobre o assunto que repercutiu nacionalmente nesta semana

Reprodução

Autor da decisão que trata a homossexualidade como algo passível de reversão, o juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara do Distrito Federal, emitiu comunicado nesta quinta-feira (21/9) em que fala pela primeira vez sobre a controversa sentença que repercutiu no Brasil todo.

Na nota, o magistrado nega ter relacionado a homossexualidade a desvios comportamentais e também afirma que não dará entrevistas sobre o assunto. Segundo ele, em caso de dúvidas, basta ler sua decisão judicial.

Veja abaixo o comunicado na íntegra:

“Considerando que em nenhum momento este Magistrado considerou ser a homossexualidade uma doença ou qualquer tipo de transtorno psíquico passível de tratamento;

Considerando ser vedado ao Magistrado manifestar, por qualquer meio de comunicação, opinião sobre processo pendente de julgamento (art. 36, III, da Lei Orgânica da Magistratura Nacional);

Considerando existir meio processual adequado à disposição das partes para pedir o esclarecimento de eventuais obscuridades ou contradições em qualquer decisão judicial.

Este Magistrado vem a público declinar dos convites a ele formulados por diversos meios de comunicação no intuito de debater ou esclarecer seu posicionamento acerca da questão. Espera-se a compreensão do público em geral, em especial daqueles que não tiveram a oportunidade de ler, em sua integralidade, a referida decisão, que se encontra disponível no sítio do TRF1″

Deixe um comentário